O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Quantos viéses...

Fonte: http://arqtodesca.blogspot.com.br/

LUZES! CÂMERAS! AÇÃO! 

8 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    O filme La Monaca di Monza foi baseada na vida da da Freira de Monza.

    Irmã Maria Virginia, nascida em Marianna de Leyva y Marino, mais conhecida como a Freira de Monza, nasceu em Milão a 04 de dezembro de 1575 e faleceu em Milão a 17 de janeiro de 1650 foi uma freira italiana, e protagonista de um escândalo que abalou o famoso Monza no início do século XVII .. Filha de um nobre, o conde de Monza Martin de Leyva y Marino, foi forçada por ele a entrar para a Ordem de São Bento, tornando-se uma freira Irmã Virgínia. O escândalo que causou foi o seu relacionamento com, Gian Paolo Osio, da qual nasceram duas crianças. O amante da irmã Virginia, que anteriormente havia sido condenado por homicídio, matou três pessoas para esconder o caso, mas que foi descoberto, condenado à morte e assassinado por um homem considerado seu amigo. O arcebispo Federico Borromeo, cientes do incidente, ordenou que fosse levantado um processo canônico contra a Irmã Virgínia: No final do procedimento, a freira foi condenado a ser enterrada viva por 13 anos no retiro de Santa Valeria. Sobreviveu à dor, Passando a viver em Santa Valeria até sua morte.

    Sua fama atual se deve principalmente ao romance Os noivos, em que Alessandro Manzoni foi inspirada na história deste escândalo famoso, no entanto romanzando eventos, tais como composição da família, história e detalhes biográficos do nome amantes que se tornam Irmã Gertrudes e Giles.

    Ficou desta forma um pouco mais ilucidado sobre esta Monarca di Monza, que após alguns anos deu origem à fundação da Ordem das Filhas de Maria sem calcinhas!....
    Abraço amigo, saudações pardalecas.

    ResponderExcluir
  2. Estimado amigo António Cambeta!
    Agradeço o relato pormenorizado a respeito da história da irmã Virgínia, que até hoje causa comoção quando vem à baila!
    Caloroso abraço! Saudações esclarecedoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Foi apenas um ser humano, que necessitava de amor e de ser amada."

    Ela sofreu uma conspiração real, para ser despojada de sua imensa fortuna,da qual foi vitima das piores provações. Um conto erótico baseado em uma história verdadeira, um dos mais famosos da história eclesiástica. Sendo os juizes os responsáveis por sua crueldade, violência e morte.
    Esta historia foi reconstruída a partir das actas judiciais registradas em Milão no ano de 1608, e de documentos e memórias dessa época.
    Virginia Maria de Leyva, morreu no mosteiro de Santa Valéria, em Milão, a mando de altos dignatários da igreja, volvidos 13 anos foi absovidamais tarde foi absolvida, essa absolvição muito se ficou a dever à intervenção do Cardeal Borromeo, a senhora de Monza, foi perdoada pelo Papa Paulo V, 1605 +1621- e restaurada a sua plena dignidade pessoal e religiosa. Este facto ocorreu em Milão no dia 17 de outubro 1608, tal como provam os registos autênticos que se encontram nos arquivos do Vaticano.
    As quatro películas que apresenta em seu bem movimentado blog, baseiam-se na mesma história, porém com títulos diferentes.
    Este filme de terror, apresenta a crueldade da igreja e de mentes perversas.
    Esta é somente uma parte da história deste filme de horror que o Inspector Pardal foi descobrir nos arquivos do Vaticano.

    Abraço amigo - Saudações pardalescas.
    Ps. - O Pardal foi expulso do Seminário de Vila Viçosa, quando tinha 13 anos, a expulsão ficou a dever-se a que o Pardal estando já a dormir sentiu que alguém tinha retirado os cobertores que o cobriam e essa tal pessoa, que não passava de um seu professor, Padre, lhe agarrava o penís, tendo o Pardal lhe dado um forte pontapé que o fez cair, tendo o padre sofrido algumas escoriações na cabeça. No dia seguinte, o Pardal foi chamado pelo reitor, que lhe ordenou que fizesse as malas, pois estava sendo expulso do seminário, como tal e já nos século XX as coisas assim se processavam, num local onde se aprende a religião e se formam padres.

    ResponderExcluir
  4. Estimado amigo António Cambeta!
    Esta cruel história deixa patente as atrocidades cometidas pelos clérigos ao longo da história.
    Fez muito bem em tornar de domínio público o assédio sexual que sofreu quando estava no Seminário!
    Caloroso abraço! Saudações reveladoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. As coisas que terão acontecido ao longo dos anos nos seminários, caramba!
    Eu estudei num seminário mas não era aluno interno.
    E, que eu me apercebesse, nunca existiram esses problemas.
    Aquele abraço e votos de bom fim-de-semana!

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Ainda bem que você não sofreu assédio sexual.
    Caloroso abraço! Saudações cautelosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  7. Freiras e prostituição
    Vamos a ver se resumo rápido:
    O Pereira ia com frequência a uma casa de prostituição, frente a um convento.
    Sempre que saía, parecia benzer-se (em nome do pai, do filho e do Espírito Santo).
    Sem saber, era sempre “vigiado” pela madre do convento, que estranhava e estava curiosa com aquela atitude e pensava: coitado do homem, arrepende-se sempre do que foi fazer, deve ser um bom cristão !
    Um dia, resolveu abordá-lo à saída, perguntando-lhe porque se benzia sempre que saía. Seria por arrependimento do pecado a que se sujeitava ! …
    Resposta pronta : qual quê, madre ?! … arrependimento ?... pecado ?... eu sou é muito esquecido e sempre que saio, digo cá para mim:
    Ó Pereira vê se não te esqueceste dos óculos, da p.... e da carteira e levo as mãos aos respectivos sítios ! …

    Abraço ! eheheh
    .

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo Rui da Bica!
    Achei hilária esta anedota!
    Caloroso abraço! Saudações santificadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge