O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Floradas na Serra - pelicula brasileira de 1954

Caros confrades/passageiros!
Tive a gratíssima satisfação de encontrar no YOUTUBE na íntegra a imperdível película brasileira "Floradas na Serra", adaptação do romance de Dinah Silveira de Queiróz! Este é o único filme em circulação onde temos a prerrogativa de ver a inigualável e inesquecível atriz Cacilda Becker (1921-1969), que deixou marcas indeléveis nas Artes Cênicas nacional, atuando na Fascinante Arte das Imagens em Movimento! A outra película, que ela atuou, em 1947 "Luz dos Meus Olhos", infelizmente não está disponível para o público. Existe somente uma cópia incompleta no acervo ao Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.
Infelizmente não sou um dos felizardos espectadores que a viram atuar magnificamente no palco.
Vamos nos emocionar ao ver ou rever esta película, que além da atuação impecável da grandiosa Cacilda Becker também temos a prerrogativa de ver atores e atrizes, que também deixaram marcas indeléveis na filmografia nacional, como por exemplo, Jardel Filho, Lolah Brah, John Herbert...
 LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

9 comentários:

  1. Estimado Confarde e Ilsutre Prof. João Paulo
    O Inspector Pardal, vasculhando seus arquivos encontrou algo sobre Floradas na Serra que é um filme brasileiro de 1954, dirigido pelo italiano Luciano Salce com roteiro baseado em romance homônimo de Dinah Silveira de Queiroz, produzido pelos estúdios Vera Cruz.

    Lucília, cansada dos prazeres do mundo dos ricos, resolve descansar em Campos do Jordão. Porém, ao fazer a visita habitual de controle médico, descobre que está com tuberculose. Mas não suporta o tratamento na clínica. Enquanto esperava para poder voltar à São Paulo na estação de trem de Pindamonhangaba, conhece Bruno, um rapaz pobre e com pretensões de se tornar escritor e que chegara a fim de se tratar. Com a conversa Lucília perde o trem. Sente-se mal e é levada de volta ao sanatório. Tempos depois, em visita de Lucília ao sanatório popular, os dois se reencontram e começam um romance. Porém, a paixão de Lucília consome rapidamente sua saúde enquanto Bruno se recupera e começa a se interessar pela sadia Olívia, noiva rica do médico da clínica.

    Floradas na serra foi, igualmente uma telenovela brasileira exibida pela TV Cultura entre 3 e 28 de agosto de 1981, escrita por Geraldo Vietri, baseada num romance homônimo de Dinah Silveira de Queiróz e dirigida por Atílio Riccó, com 20 capítulos.

    A trama gira em torno de quatro moças num internato para recuperação de tuberculosos em Campos do Jordão.

    O casal principal é formado por Elsa e Flávio. Elsa deixa São Paulo ao descobrir-se doente, deixando para trás seu noivo. Em Campos do Jordão, se envolve emocionalmente com um interno, o pintor Flávio.

    O segundo casal é formado por Lucília e Bruno, um escritor casado, também em recuperação. O envolvimento de Lucília vai levá-la às últimas consequências, com final quase trágico.

    A terceira moça é Letícia, apaixonada pelo seu médico, o Dr. Celso, e que lutar pelo seu amor contra Olívia, noiva dele.

    A quarta moça, Turquinha, apaixona-se por Moacir, que morre tuberculoso, e ela, inconformada, tem um final infeliz.

    A quinta moça Belinha, também tem um final infeliz.
    '''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
    Floradas na Serra foi uma minissérie brasileira, exibida em 1991 pela extinta Rede Manchete. Escrita por Geraldo Vietri, baseado no romance homônimo de Dinah Silveira de Queiroz e dirigida por Nilton Travesso e Roberto Naar, teve 24 capítulos. A minissérie foi reprisada de 20/01 a 15/02/1992, em 24 capítulos, de segunda-feira a sábado às 19h30. Também de 23/01 a 23/02/1995, em 24 capítulos, de segunda a sexta-feira às 19h30.
    Quanto ao filme LUZ DOS OLHOS, o Pardal irá investigar, para já informa que adoro o filme.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  2. Estimado Confrade e Ilustre Prof. Joâo Paulo
    O Pardal descobriu um side onde indica poder ver esse grande filme dramatico LUZ DOS MEUS OLHOS
    http://www.enterplay.com.br/filme/luz-dos-meus-olhos-41413.htm

    Porém existe em outra versão dramatica deste filme, chama-se LUCE DEI MIEI OCCHI, pelica italiana cujo tema é Antonio é motorista e ama aquilo que faz. Sua profissão possibilita que ele se desloque constantemente, de um lado ao outro, sem destino certo. Sua sorte está nas mãos de seus clientes, mas ele não se importa com isso, pois, entre uma corrida e outra, pode alimentar suas paixões. Uma delas é a ficção científica, gênero criativo onde vive Morgan, seu alter ego imaginário. Outra de suas paixões é Maria, jovem mãe que se endividou para montar um negócio de congelados e agora não tem como saldar a sua dívida. Por Maria, Antonio está disposto a assumir a dívida e riscos maiores.

    ORIGINAL: Luce dei miei occhi (2001)
    TAGS: drama, itália,
    DIRETOR: Giuseppe Piccioni
    ROTEIRISTA: Umberto Contarello, Giuseppe Piccioni
    TRILHA: Ludovico Einaudi


    ATORES:
    Luigi Lo Cascio
    Silvio Orlando

    ATRIZES:
    Sandra Ceccarelli

    Abraço amigo, saudações pardalescas



    ResponderExcluir
  3. O Pardal ficou a saber algo mais sobre o Otelo, mas igualmente ficou a saber sobre toda a história do cinema brasileiro e como tudo começou.

    http://www.cinemabrasil.org.br/site02/historia.html

    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  4. LUZ DOS MEUS OLHOS - 1947 - Brasil / Rio de Janeiro - ... minutos - Drama - Preto e branco
    Direção e canção: José Carlos Burle
    Companhia produtora: Atlântida Cinematográfica Ltda
    Companhia distribuidora: UCB-União Cinematográfica Brasileira
    Assistente de direção: Roberto Machado - Argumento: Alinor Azevedo - Roteiro: Alinor Azevedo e José Carlos Burle - Fotografia: Edgar Brasil - Montagem: Waldemar Noya e José Carlos Burle - Som: Jorge Coutinho - Trilha: Lírio Panicalli.
    Intérpretes : Cacilda Becker (Suzana), Celso Guimarães (Roberto), Grande Otelo (guia), Heloísa Helena, Luiza Barreto Leite, Sílvio Caldas, Manoel Pêra, Augusto Henriques, Armando Ferreira, Talita Miranda, Garotos da Lua, Áurea Gally, Wilson de Andrade, Lenita Castro, Nelson Baldini, Natalício Santos, Zizinha Macedo, Jaime Faria Rocha, Paulo Wanderley
    Sinopse : Roberto, um pianista cego, havia composto uma música para Suzana, uma mulher a quem amara e de quem se separara desde a perda da visão. Vivendo como afinador de pianos, um dia, ao atravessar a rua, encontra-se com um moleque que se prontifica a acompanhá-lo como seu guia. Auxiliando-se mutuamente, nasce entre ambos uma amizade forte. De um lado o cego, precisando de um guia; de outro, um moleque, que queria um amigo. Chamado para afinar um piano em certa casa, ao tirar as primeiras notas de sua canção favorita, "Luz dos meus olhos", que compuzera para Suzana, esta reconhece no cego o companheiro de aulas de música, seu amigo Roberto. Renasce entre ambos aquela amizade, quase amor, quando o noivo de Suzana chega para o casamento. Para evitar uma decepção ao seu companheiro, o guia inverte o sentido da carta em que Suzana explicava o seu noivado. Mas Roberto reconhece que fôra burlado e perde Suzana e o guia. Mas o amor por Roberto falou mais alto em Suzana e, um dia, ela o encontra de novo, desta vez para nunca mais se separarem. E o guia volta também a ter o amigo fiel dos outros tempos, dos tempos difíceis em que ele era a visão do pobre cego apaixonado.
    Observações : Não teve sucesso de público, mas foi escolhido pela crítica como o melhor filme do ano.


    Saudações investigadoras

    ResponderExcluir
  5. Estimado amigo António Cambeta!
    Graças aos valiosos préstimos do Detetive Pardal descobri mais a respeito da película "Luz dos Meus Olhos"!
    Como sempre as investigações do Detetive Pardal são impecáveis!
    Caloroso abraço! Saudações beckerianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  6. Caro Prof João Paulo .
    É espantosa esta capacidade de investigação do Inspector Pardal ! ... Uma participação preciosíssima ! :))

    Abraços aos amigos Cambeta e João Paulo ! :))
    .

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo Rui da Bica!
    Assino embaixo seu pertinente comentário!
    Caloroso abraço! Saudações pardalescas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  8. Totalmente novo para mim, caro Prof. João Paulo de Oliveira.
    Um grande abraço e votos de bom fim-de-semana!

    ResponderExcluir
  9. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Aproveite para assistir a película na íntegra!
    Caloroso abraço! Saudações cacildaianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge