O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sábado, 17 de setembro de 2011

Visita à Praça Benedito Calixto no bairro paulistano de Pinheiros




Caros(as) confrades!
Sempre que vou à feira de antiguidades da Praça Benedito Calixto, no bairro paulistano de Pinheiros, passo horas agradabilíssimas, como ocorreu no sábado passado, no período vespertino, porque além de apreciar sobremaneira as preciosidades ali expostas e comercializadas é possível encontrar pessoas bonitas, de bem com a vida e que sabem aproveitar os espaços imperdíveis que a nossa pujante capital paulista oferece!!!!
Nesta visita fiquei propenso a divagar como a tecnologia avançou vertiginosamente em poucas décadas, porque no meu já distante tempo de infante e juventude os objetos que aparecem na 3ª fotografia faziam parte do cotidiano das pessoas, principalmente as pertencentes a classe média e alta. O telefone público ali exposto me fez lembrar que carregava muitas fichas telefônicas, que fazia muito volume ao carregá-las no bolso!!!! Lembro com muitas saudades de um bailinho que fui quando era adolescente e na vitrola portátil, bem parecida com a que estava naquela banca, tocava uma música da cantora Martinha "Eu te amo mesmo assim", a moçoila que fazia par comigo na dança de supetão parou de dançar... Depois soube que contou para as amigas que eu era um safado, porque tive a audácia de boliná-la encostando meu pênis teso nela... Pobrezinha da moçoila, porque cometeu um grande equívoco, tendo em vista que o considerou como meu pênis teso era as muitas fichas telefônicas que carregava no bolso esquerdo da calça...
Estas reminiscências deixou-me saudoso da cantora Martinha!!!


Eu Te Amo Mesmo Assim
Martinha (1967)

Vieram me contar que você diz que não me quer
Mas que você me tem a hora que você quiser
Que sou apaixonada e você tem pena de mim
Não ligo e só respondo que eu te amo mesmo assim

Fiquei até sabendo de uma outra namorada
E que por causa dela você já não pensa em nada
Eu só não compreendo o que essa gente quer de mim
Não ligo e só respondo que eu te amo mesmo assim

Todo mundo diz que você faz o que bem quer
Mas a mim só interessa mesmo o que você disser
E mesmo que você disser que não gosta de mim
Meu bem ainda respondo que eu te amo mesmo assim

Meu bem ainda respondo que eu te amo mesmo assim

4 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilustre Prof. Joao Paulo,
    Adorei saber que meu estimado Confrade passou um dia em cheio, todos esses velhos aparelhos fizeram igualmente parte da minha mocidade.
    Essa da dança foi gira e me fez recordar um caso que se passou comigo num baile na Sociedade Joaquim António de Aguiar em Évora, dançava eu com a moça que seria a minha primeira e única namorada que tive em Portugal, quando me encostei a ela bem agarradinho, nao era nenhuma ficha de telefone eras mesmo o bordado, bem, dei banho ali na sala rsrsrs.
    Na juventude acontece coisas do arco da velha.
    Uma noite noutro baile fui pedir a mao à mae da moça, mas como tinha chovido no caminho para o baile estava todos despenteado. A mae da moça recusou o meu pedido e me disse vá-se pentear, a minha resposta nao se fez esperar e disse, entao o que vim pedir era o pente.
    Termo que significa que a moça nao tem cabedal que é magra rsrsr, tive que cavar dali, senao levava com uma sombrinha na tola.

    Eu tenho dois amores
    Que em nada são iguais
    Mas não tenho a certeza
    De qual eu gosto mais
    Mas não tenho a certeza
    De qual eu gosto mais
    Eu tenho dois amores
    Que em nada são iguais

    Uma é loira e acontece
    Entre nós amor, ternura
    Tão loira que até parece
    O sol da minha loucura

    Mas a outra tão morena
    É tal qual um homem quer
    Porque embora mais pequena
    Ela é muito mais mulher

    Eu tenho dois amores
    Que em nada são iguais
    Mas não tenho a certeza
    De qual eu gosto mais
    Mas não tenho a certeza
    De qual eu gosto mais
    Eu tenho dois amores
    Que em nada são iguais

    Meu coração continua
    Sem saber o que fazer
    É melhor amar as duas
    Sem uma doutra saber

    Que este encanto não se acabe
    E eu já pensei tanta vez
    Pois enquanto ninguém sabe
    Somos felizes os três

    Lalala-rala-ralala
    Lalala-rala-rala
    Lalala-rala-ralala
    Lalala-rala-rala
    Lalala-rala-ralala...

    Um abraço amigo cá deste alentejano.

    ResponderExcluir
  2. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Apreciei sobremaneira suas reminiscências!!!! Azar da moça que o rejeitou, porque perdeu a oportunidade de ter um consorte promissor!!!!!
    Na verdade o felizardo foi você, porque se tivesse casado com ela sua vida seria completamente diferente!!!
    Caloroso abraço! Saudações vigorosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira


    PS - Também achei supimpa o poema!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu quero um chapéu desse!!!
    Abs
    JB

    ResponderExcluir
  4. Caro confrade João!
    Certamente você ficará muito garboso com um chapéu parecido com este!!!
    Caloroso abraço! Saudações chapeleiras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge