O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Mais uma história do ilustre passageiro António Cambeta


Caros(as) confrades!
Tenho a grata satisfação de publicar neste vagão do Expresso do Oriente mais uma história de autoria do meu estimado confrade e amigo António Cambeta, ilustre passageiro deste vagão do Expresso do Oriente, que tem uma verve maravilhosa!!!! Também apresento uma fotografia do Cambeta quando ele era um garboso jovem, no auge da juventude, quando tinha 20 anos!!!!

"Estimado Confrade e Ilustre Prof. Joâo Paulo,
Estou enviando este e-mail para lhe dar conta que o meu MSN e o endereço de hotmail foram à vida hoje, não sei o que se passou. Esta manhã o utilizei ainda, depois sai para almoçar e quando quis entrar me deu a indicação que o nome ou passaword estavam incorrectos, paciência.
Como sei que é amante de Trens e tendo eu entrado, esta manhã, na gare de Bangkok, e tendo lá visto, uma vez mais, o trem que efectua as viagens entre Bangkok e Singapura, trem esse que é o Eastern Oriental Express, que é um luxo, nada comparado com qualquer outro trem no mundo e muito menos com a BARONESA, que no dia 30 de Abril de 1854, teve o previlégio de, pela primeira vez em terras de Santa Cruz, precorrer os trilhos, para ela exclusivamente usar.
Segue o endereço do artigo que postei hoje em meu blog, entre e poderá ver todos os promenores dos vagões, sáo vários sites inter activos, onde aparecem as rotas, os salões enfim tudo, espero que goste.
Era para escrever mais uma história de seu Expresso do Oriente,numa viagem entre a Gare da luz em S. Paulo e a estação dos Viracopos, bem como outra entre a estação da Luz e a estação dos Estudantes.
Este alentejano sem estar de pifo afinado, se entretem inventando histórias, não da carochinha, mas sim do belo Expresso do oriente.
Veja só o que meu pensamento me transmitiu:
Tendo-se realizado na cidade de Estudantes, uma conferencia e entregas de diplomas aos alunos que tiveram melhores rendimentos no ano escolar findo, alunos esses que na sua maioria eram alunos de sua turma, a directora da escola seguiu igualmente viagem.
Todas as pessoas ilustres da sua amada cidade foram convidadas, o vagão 1 ficou destinado aos alunos e seu digno representate, seu Ilustre e didactico professor. Para tal o vagão 1 teve que sofrer algumas alterações, os assentos foram remodelados e colocado um assento especial para o Senhor Professor, podendo assim estar sempre vigiando seus iluminados alunos, que seguiram viagem todos com o cinto de segunraça postos.
No vagão 2 seguiam as mais altas individualidades de Diadema, seguima óptimamente istalados, visto o vagão ter sofrido remudelações, entre elas colocadas mesas defronte dos assentos e colocado uma bar no vagão, onde um profissional de restauração ia servindo bebidas e um fautouso almoço.
O vagão 3 servia de cozinha, de onde saiam os majares servidos ao alunos e igualmente aos outros ilutres passageiros do Expresso do Oriente.
No vagâo 4 estavam acomodados alguns médicos e enfermeiros, prontos para intervirem caso fosse necessário.
O vagão 5, esse em especial e com os lugares reservados seguiam a Dona Miquelina, toda espastada de creme Tokalon, seu ilustre esposa o Coronel Epaminondas Albuquerque Pinto Pacca, a labisgóia do Agrado seguia dois assentos mais atrás, acompanhado do valoroso bombeiro Godofredo, o nosso convidado VIP o aletejano Cambeta seguia num assento junto à janela e ia vendo toda aquela vistosae maravilhosa paisagem, luxuriante.
O vagão 5 é um vagão especial, como tal não foi necessário fazerem-se alterações.
O bar lá instalado tomava conta a bela Hermenegilda, a viagem seguia tranquila, até que a dado momento um boi se atravessou na linha, obrigado o maquinista a meter travões a fundo.
Resultado, o Ilustre Professor, sempre cumpridor das regras de educação e de segunraça, is com o cinto de segurança colocado bem como os alunos.
As altas individualidades seguiam igualmente cumprindo os regulamentos.
Os cozinheiros esses é que se viram em sarinhos com os tachos e as panelas, mas não passou disso, e tudo se revolveu, sem problemas.
No vagão 5, a nossa estimada viajante, Dona Miquelina, que se sentia humilhada por não ter sido convidada a viajar no vagâo 2, segui mal humorada, causando enjoo ao Ilustre Coronel, que levava a maioris do tempo indo até ao bar.
Foi nesse preciso momento que o motorista tinha travado, e o Coronel foi-se estantelar no peito da copeira Hermenegilda caindo ambos no corredor do vagão.
A dona Miquelina que náo levava o cinto de segurança posto, foi projectada para o vagão 4, cuja porta estava aberta indo caindo nos braços de um cozinheiro, desmaindo de seguida.
A lambisgóia do Agrado que náo parava quieto, tentando agradar ao valoroso bombeiro, seu companheiro de assento, e como igualmente não leva o cinto posto, foi projectado contra o asento defronte, sorte que o sofá era macio, e não ficou ferido, ficou sim de uma forma ilariante, com a cabeça e o tronco no assento ficando de pernas para o ar.
O valoroso bombeiro e o alentejano ao verem tal espectáculo riam a mangas desperegadas e nada fazima para ajudar, até que o Godofredo se lembrou de sua noiva, e ao ver o estrelaio do Coronel em cima de sua amada, arregaçou as mangas da camisa e num gesto brusco , segurou o Coronel pelo cinto das calças e o lançando para seu assento, de seguida debruçou-se sobre sua amada e lhe afinfou um valente beijo que a fez despertar.
O alentejano impávido e sereno continuava a acompahar a cena.
Entretanto o Coronel recuperou os sentidos e olhando para a cozinha e vendo sua espsoa nos braços do cozinheiro fez uma arrozada dos diabos, e seguinto para o vagão 4 retirou sua esposa, dos braços do cozinheiro, este não conhecendo o Coronel, pegou nun tacho e lhe afinfou na tola, ficando o Coronel caído no chão do vagão, até que os médicos compareceram e lhes prestaram os primeiros socorros, a Dona Miquelina continuava insconsciente, tendo uma enfermeira lhe dado a cheirar algo, que a fez despertar de imediato, ams vendo seu esposo no chão e o lambisgóia do Agrado de pernas para o ar, lhe deu uma safanico e caiu para cima de seu esposo.
Enfim foi uma palhaçada das grandes.
Em todos os outros vagões nada de passou de anormal, e o Expresso do Oriente continuo a sua viagem, calma e traquilamente.
O alentejano vendo o valoroso bombeiro em cima de sua amada, dali saiu indo até ao bar, sacando de uma garrafa de caipira a emborcando de seguinda, indo depois enterrar a sua bunda no assento, só acordando ao som dos fortes e estritendes apito do trem, chegados à estação dos Viracopos, onde uma bem composta banda musical os espera.
Bem o resto da história fica para o próximo capítulo.
Abraço amigo cá do viajante permanente do belo Expresso do Oriente."

8 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilustre Prof. Joao Paulo,
    Esse alentejano onde se mete so arranja cenas dessas.
    Peco desculpas por alguns erros ortogtaficos.
    Ps- Este meu teclado nao esta formatado em portugues, como tal nao consigo colocar os acentos, mas fico bem sentado em minha cadeira.
    Abraco amigo

    ResponderExcluir
  2. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Não se preocupe com as questões ortográficas, porque o mais importante é a hilariante história que nos brindou!!!
    Caloroso abraço! Saudações criativas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Estimado Confrade e Ilustre Prof. Joao Paulo,
    A proposito de trens encontrei este belo poema, nao o Cambeta cozinheiro mas sim este
    No Comboio Descendente



    No comboio descendente

    Vinha tudo à gargalhada.
    Uns por verem rir os outros
    E outros sem ser por nada
    No comboio descendente
    De Queluz à Cruz Quebrada...



    No comboio descendente
    Vinham todos à janela
    Uns calados para os outros
    E outros a dar-lhes trela
    No comboio descendente
    De Cruz Quebrada a Palmela...



    No comboio descendente
    Mas que grande reinação!
    Uns dormindo, outros com sono,
    E outros nem sim nem não
    No comboio descendente
    De Palmela a Portimão



    Fernando Pessoa


    Um abraco amigo

    ResponderExcluir
  4. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Bem pertinente sua iniciativa em trazer à baila o poema do nobilíssimo Fernando Pessoa!!
    Caloroso abraço! Saudações ferroviárias!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. E, os dois, já me deixaram bem disposto para o o que resta do dia.
    Um abraço a ambos

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo e professor..

    Está muito engraçada essa história. Para alegrar mais um dia..
    Criatividade e humor de sobra tem esse alentejano.
    Bom dia a todos..

    ResponderExcluir
  7. Caro confrade Pedro Coimbra!
    Que bom saber que apreciou!!!!
    Caloroso abraço! Saudações criativas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  8. Cara confrade Cristina Fonseca!
    O Cambeta tem uma verve maravilhosa!!!
    Caloroso abraço! Saudações joviais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge