O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Canção inesquecível: "JE T'AIME MOI NON PLUS"



Caros(as) confrades!
Quando esta música foi lançada no ano de 1969 estava no auge da minha já distante adolescência e acompanhei o sucesso estrondoso que fez e também o escândalo que causou!!!! Que saudades dos bailinhos e de dançar bem, mas bem agarradinho com as jovens sonhadoras de minissaia!!!!!!!!!!
Max!!!!!!!!!! Traga meus sais centuplicado!!!!!!!!!!!!!!

12 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilsutre Prof. João Paulo

    No longínquo ano de 1969, foi o ano que contrai matrimónio, por essa altura, músicas como estas só volvidos muitos anos é que chegavam cá.
    Não cheguei a ouvir, mas era fã da Brigite Bardot.
    Um abraço amigo

    ResponderExcluir
  2. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Esta música deixou marcas indeléveis na minha existência!
    Caloroso abraço! Saudações musicais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo
    Por lapso disse 1969, quando na realidade me casei em Maio de 1968.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  4. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Meu amado irmão casou também no mês de maio, mas no ano de 1967 e eu no ano de 1977!!!!
    Caloroso abraço! Saudações fraternais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. Esta canção era “para constituir família”, segundo diziam!

    ResponderExcluir
  6. A canção é inesquecível.
    E a Jane Birkin?
    UAU!!!!!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Cara confrade Catarina!
    Esta inesquecível canção nos instiga a ser mais lascivos!
    Caloroso abraço! Saudações imaginativas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  8. Caro confrade Pedro Coimbra!
    Na contemporaneida a Jane Birkin tem 65 anos!!!
    Caloroso abraço! Saudações outonais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  9. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    Meu sincero mui obrigado por suas getins palavras, não as mereço visto meus parcos poemas, nem a minha ex-amada senbilímou.
    Grato lhe fico por me fazer recordar o belo poema a Pombinha na mata.

    Graças às suas informações fui tomando conhecimento dos poemas dessa grande poetisa que foi Cecília Meireles.
    *****************************************

    Nem tudo é fácil

    É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
    É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
    É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
    É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
    É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
    É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
    É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
    É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
    Se você errou, peça desculpas...
    É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
    Se alguém errou com você, perdoa-o...
    É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
    Se você sente algo, diga...
    É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar
    alguém que queira escutar?
    Se alguém reclama de você, ouça...
    É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
    Se alguém te ama, ame-o...
    É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
    Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
    Precisamos acreditar, ter fé e lutar
    para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos,
    realidade!!!
    Cecília Meireles

    Abraço Amigo

    20 de outubro de 2011 19:36

    ResponderExcluir
  10. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Estamos na mesma sintonia!!!! São tantos poemas inesquecíveis da notável Cecília Meireles (1901-1964), que fica dificílimo escolher!!!
    Trago à baila mais um sensibilíssimo poema da grandiosa poetisa:

    "O último andar

    No último andar é mais bonito:
    do último andar se vê o mar.
    É lá que eu quero morar.

    O último andar é muito longe:
    custa-se muito a chegar.
    Mas é lá que eu quero morar.

    Todo o céu fica a noite inteira
    sobre o último andar
    É lá que eu quero morar.

    Quando faz lua no terraço
    fica todo o luar.
    É lá que eu quero morar.

    Os passarinhos lá se escondem
    para ninguém os maltratar:
    no último andar.

    De lá se avista o mundo inteiro:
    tudo parece perto, no ar.
    É lá que eu quero morar:
    no último andar.

    Cecília Meireles, Ou isto ou aquilo"

    ResponderExcluir
  11. Estimado Confrade e Iloustre Prof. João Paulo
    Maravilhoso poema que me tocou imenso, visto eu viver, num andar bem alto, não no último é verdade, mas tenho uma vista maravilhosa do mar, e do céu, e de minha varanda, no décimo andar, se pode avistar o mundo inteiro.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  12. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Que bom saber que apreciou o poema!!!
    Caloroso abraço! Saudações poéticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge