O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Évora cidade portuguesa com certeza


Caros(as) confrades!
Foi nesta rua da cidade museu de Évora que meu estimado confrade e amigo António Cambeta veio à luz!!!!!!

PS - Após a publicação da homenagem que prestei ao meu estimado confrade e amigo António Cambeta vejam o belíssimo poema e fotografias que ele me enviou:
Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,

Será com todo o prazer que será recebido de braços abertos na casa de minha irmã, na minha ex-quinta, hoje denominada Quinta de S. Agostinho.
A casa da cidade, na Rua Mendes Estevens, é propriedade dela igualmente, eu a comprei e lhe ofertei.
Na primeira foto que envio em anexo é a placa da rua, a segunda a rua vista de cima para baixo e a terceira é minha irmanita à porta da casa, a quarta é o famoso jardim do bacalhau.

A seguir lhe envio um pequeno poema que fiz sobre a minha rua, espero que goste.



A rua da minha infância
jamais a poderei esquecer,
nela brinquei aquando criança
me acolheu e me viu crescer

No Farrobo se situa
em pleno coração da cidade,
Mendo Estevens é essa a rua
que recordo com carinho e saudade

Na casa número 52 eu morava
era casa de sapateiro,
defronte outro ficava
mas meu pai o pioneiro

À esquerda tinha a taberna
à direita lugar de hortaliças ficava,
o Torcato sem uma perna
jogos do Sporting relatava

O Doutor Rosado da Fonseca
nosso médico familiar,
era como se fosse um Cambeta
que nossos males vinha curar

Recordo com noltagia
o Patrício e sua taca bem afamada
velho Almeida e sua mercearia
Dona Adelaide e o pão de sua fornada


Era rua bem concorrida
e com a de Machede rivalizava,
era bela cheia de vida
meu ninho minha morada

Tudo hoje nela mudou
perdeu sua vivacidade,
moradores Deus muitos a si chamou
amigos da mocidade

Só a calçada ficou
cheia de orgulho e de vaidade
e para quem nela viveu e muito amou
a recorda com eterna saudade

Poucos são já seus antigos moradores,
chineseses nela se instalaram
e esses novos mercadores
seu ambiente também mudaram

Muita gente nova lá vi
estudantes esses então
muitos pacientes tem o CDI
que ganha um dinheirão

Agora com restaurante chinês
a rua parece ter mais vigor
está revivendo outra vez
conservando o seu esplendor

É a ti que tanto adoro
Tu, que me viste nascer
jamais te ignoro
sempre em mim irás permanecer

Um abraço amigo



4 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    Foi mesmo, nessa rua de nome Mendo Estevens, sita no coração da cidade.
    A foto apresenta o início da rua,cá o eborense nasceu numa casa, número 52 que fica um pouco mais abaixo.
    Era, na altura que eu era miúdo uma das ruas mais emblemáticas da cidade, onde meu saudoso pai tinha a sua sapataria.
    Um abraço amigo

    ResponderExcluir
  2. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo.
    Aquele arco não existia, foi construído no ano de 1957, quando foi construído o Palácio de Justiça e as Conservatórias de registo civil.
    No lado direito da rua, pode ver-se na foto um muro e um pouco de relva, é um jardim, seu nome Jardim do Paraíso, mais conhecido pelo jardim do bacalhau, onde cá este alentejano curtia as suas horas livres, vendo, pelas traseiras os filmes que passavam na esplanada dos bombeiros voluntários, hoje Tribunal da Justiça, velhos tempos e como é bom recordar.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  3. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Farei questão de quando visitar a cidade museu de Évora tirar uma fotografia em frente ao nº 52 desta rua, bem como visitar sua valorosa irmã e depositar flores no jazigo da sua adorada e saudosa mãe!!!! Fico feliz em saber que a homenagem que lhe prestei trouxe-lhe muitas reminiscências!
    Caloroso abraço! Saudações evorenses!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  4. A falta de modéstia e humildade é por ventura um dos grandes defeitos do ser humano mas a mentira ainda os ultrapassa....

    ResponderExcluir

Google+ Badge