O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Típica família paulistana de imigrantes portugueses




Caros(as) confrades!
Minha estimada confrade e amiga Cristina Fonseca estudou no conceituadíssimo Instituto de Educação Caetano de Campos 46 anos depois que os infantes retratados foram eternizados na primeira fotografia!!!! Quando ela foi matriculada no então disputadíssimo Educandário tinha cinco anos de idade!!!
A Cristina é paulistana, filha de valorosos imigrantes portugueses, que labutaram sem tréguas no comércio de secos e molhados, na capital paulista, para tornar seus rebentos cidadãos probos!!!!
Tenho a gratíssima satisfação de estampar também neste vagão do Expresso do Oriente a família da Cristina Fonseca, uma típica família paulistana, mas com pais imigrantes!!!!! Também apresento a graciosa Cristina Fonseca aos cinco anos de idade com vestimenta característica da região do Minho!!!! Os pais da Cristina nasceram na aldeia da Pocariça, que fica na área de influência da cidade de Coimbra!!!!
Ora pois!!!!!!!

14 comentários:

  1. Estimado Confarde e Ilustre Prof. João Paulo,
    Foi com imenso prazer que vi tão belos fotos dessa juventude, embora Paulista, bem portuguesa na apresentação.
    Os portugueses estão explhandos pelos sete cantos do mundo, porém aqui em Macau, nunca andaram assim vestidos.
    Os pais de nossa Estimada Comadre Cristina Fonseca, foram um exemplo para as gerações futuras, e como tal muito grata deverá estar a seus pais que lhe deram um educação primorosa numa escola bem conceituada.
    É sempre bom ver pessoas como os pais da Comadre Cristina que muito trabalharam para que seus filhos pudessem ter uma vida melhor.
    Parabéns.
    Um abraço amigo

    ResponderExcluir
  2. Caro professor..
    Não tenho palavras para agradecer essa amável postagem que nos emocionou. São gentilezas que só amigos podem fazer.
    Tenho orgulho dos meus pais e sou agradecida a eles pelo exemplo que nos deram e por terem trabalhado uma vida inteira sem trégua, para nos proporcionarem bons estudos e educação.
    Meus pais são de uma pequena cidade chamada Pocariça, na região de Coimbra. Meu pai faleceu há 2 anos e minha minha mãe está com 90 anos. Em nome deles, agradeço essa homenagem, que representa a história de muitos imigrantes que vivem no Brasil e que venceram com muito trabalho e esforço, numa terra que os acolheu de braços e coração abertos.
    Muito obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo Antonio Cambeta..
    Agradeço suas palavras que bem retratam o carinho e cuidados que meus pais portugueses, tiveram conosco. Creio que assim procedem todos aqueles que zelam por seus filhos, desejando que tenham uma boa formação e sejam cidadãos honrados. Tenho certeza que vc como portugues imigrante em Macau, também tem feito o melhor por sua familia.
    Minha mãe também costurava e por isso sempre andamos bem vestidos.
    Grata pelo carinho..
    Um forte abraço..

    ResponderExcluir
  4. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Tive a gratíssima satisfação de ser recebido de braços abertos na residência da nossa querida amiga Cristina Fonseca, que mora na zona sul paulistana, num bairro tipicamente de classe média!!! A genitora da Cristina é encantadora!!!! Sinto-me um felizardo por ter uma preciosa amiga, como a Cristina!!!!
    Caloroso abraço! Saudações fonsecaianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. Caríssima confrade e amiga Cristina Fonseca!
    Você é uma pessoa boníssima e incapaz de magoar alguém!!!! Considero a homenagem merecida, porque são pessoas maravilhosas - como você - que me dão esperanças de dias melhores!
    Caloroso abraço! Saudações esperançosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  6. Ah, professor! Gostei muito deste post e da homenagem que prestou à família de nossa estimada Cristina (portuguesa, com certeza!!)
    Minha avó Adelaide também era de Coimbra e aportou no Brasil, com toda a família, lá pelos idos de 1905. Trouxeram alguns escudos nas burras e por aqui compraram um bom pedaço de terra, batizado de Sítio Conceição, onde minha mãe nasceu (era a caçula das portuguesinhas e hoje está com 92 anos, lépida e fagueira como a progenitora de nossa amiga Cris).
    Abraços fraternos a todos
    João

    ResponderExcluir
  7. Estimada Amiga Cristina,
    Ainda hoje postei em meu p[arco bloco um artigo sobre a minha saída de Portugal, faz hoje 47 anos, ao contrário de muitos portugueses bem como de seus queridos progenitores, eu não emigrei, vim para Macau como militar, e por amores perdidos em Portugal, por cá fiquei.
    Passei de cavalo para burro, e foi com muito esfroço que a pulso, subi na escala da vida, tendo dado o meu melhor à família que por cá constitui.
    Tenho dois filhos, 42 e 41 anos de idade, ambos formados numa das mais reputadas universidades canadianas, são ambos casados e pais de filhos.
    Labutei é bem verdade, mas de uma maneira bem diferente de todos os portugueses que deixam a sua amada pátria, para encontrar uma vida melhor nos países de acolhimento.
    E o Brasil país irmão tem tido um papel fundamental nesse aspecto recebendo de braços abertos os portugueses.
    No meu caso pessoal, foi bem diferente, percursos diferentes, culturas e língua diferente, enfim tudo diferente, mas sempre com o mesmo objectivo, ter e poder dar uma vida melhor aos meus descendentes.
    Orgulhoso fico em saber do bem estar que está disfrutando graças aos esforços de seus queridos pais.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  8. Caro Prof. João Paulo Oliveira,
    Quais são as possibilidades de aqui aparecer alguém a comentar que conheça a aldeia da Pocariça?
    Resposta - TODAS!!
    Eu conheço
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    Talvez a nossa estimada amiga Cristina goste de ficar a saber o seguinte:

    Tal como o Amigo Pedro Coimbra também conheci a aldeia de Pocariça, isto quando estava em Aveiro.
    Este nome tem vários significados a saber:

    O nome Pocariça

    No tempo dos primeiros reis apareceram inúmeras referências a Porcariça, como então lhe chamavam. No entanto, a etimologia da palavra Pocariça tem dado origem a diversas dúvidas e polémicas.

    Tanto o Padre António Carvalho da Costa, na sua Corografia Portuguesa (1868), Pinho Leal, no seu Portugal Antigo e Moderno (1876) e outros autores assim a designavam, embora anteriormente outras denominações aparecessem como Pucariça, Pocarina, Pocarissa e Purcariça.

    O Padre António Carvalho da Costa ao narrar a vila de Cantanhede cita, entre outros lugares do seu termo o da Pocariça, o que é um erro, uma vez que esta povoação nessa data já constituía uma freguesia.Pinho Leal diz que a denominação de Pocariça deriva do português antigo que significava Porcariça, o mesmo que porqueira ou guardadora de porcos e documenta isso com os Costumes e Posturas de Évora, de 1264. Agostinho Rodrigues de Andrade, na Corografia Histórico-Estatísticado Distrito de Coimbra, publicada em 1869, atribuiu-lhe a mesma designação.

    Não desejando entrar em longas divagações etimológicas podemos admitir, também que, uma versão que se manteve durante alguns anos e na qual se dizia que Pocariça seria, no seu princípio constituída por duas palavras: Porca e Riça que seriam a alusão à existência na povoação de uma porca de cor castanha e de cerdas crespadas, animal esse de estimação não só pela sua cor e qualidade do seu pêlo rijo, mas também, por constituir uma raridade e daí darem o nome à localidade. Deve tratar-se de uma lenda posta a correr há bastantes anos atrás.

    O actual nome é Pocariça, designação que foi definida em 1925 pela Câmara Municipal de Cantanhede, deliberação camarária confirmada pela respectiva rectificação no Diário do Governo de 7 de Outubro de 1925.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  10. Caro confrade João!
    Você também teve a prerrogativa de conhecer em carne e osso nossa querida amiga Cristina Fonseca, quando você nos recebeu de braços abertos no seu belíssimo sítio!!!! Que bom saber que apreciou a homenagem que prestei a família da Cristina!!!!
    Caloroso abraço! Saudações paulistas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  11. Caro confrade Pedro Coimbra!
    Quando visitar o reino distante além-mar e estiver na cidade de Coimbra também desejo conhecer Pocariça!!!!
    Caloroso abraço! Saudações amistosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  12. Estimado confrade e ilustre António Cambeta!
    Muito obrigado por versar mais amiúde sobre a aldeia de Pocariça!!! Certamente nossa querida amiga Cristina Fonseca ficará emocionada ao saber circunstancialmente sobre o local de nascença dos seus valorosos pais!!!
    Caloroso abraço! Saudações pocariçaianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  13. Caros amigos JP,Antonio Cambeta, Pedro Coimbra e João Batista..
    Agradeço todos os amáveis comentários,sobre esta homenagem aos meus valorosos pais.
    Amigo Antonio, gostei muito de conhecer a origem do nome Pocariça. E que surpresa saber que o Pedro e Antonio conhecem essa aldeia, que pretendo conhecer no próximo mês, pois estou de malas prontas para Portugal.
    João Batista, se não me falha a memória,sua mãe chama-se Alzira,coincidentemente o mesmo nome da minha.Somos todos de boa cepa, não é mesmo?
    Saúde e vida longa a todos.
    Obrigada pelo carinho

    ResponderExcluir
  14. É isso ai, Cristina: Alzira, nome amado e abençoado por Deus!
    bjs
    Joao

    ResponderExcluir

Google+ Badge