O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Gustav von Aschenbach, quem avisa amigo é, por ora, deixe de pensar no Tadzio e tenha muita cautela para não ser mais uma vítima fatal da cólera...

LUZES! CÂMERA! AÇÃO!

6 comentários:

  1. Foi uma belíssima ideia (que me deu) caro João Paulo !
    Vi o filme todo (já não me lembrava) !
    Aqui os últimos 7 minutos e a morte !

    Abraço ! :))
    .

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo Rui da Bica!
    Que bom que apreciou a ideia!
    Caloroso abraço! Saudações aschenbachianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Estimado Confrade e Ilsutre Prof. João Paulo
    Do filme que nos traz hoje à baila, o Inspector Pardal foi saber.
    Morte em Veneza (título original italiano: Morte a Venezia) é um filme de 1971 dirigido por Luchino Visconti e Dirk Bogarde e estrelado por Björn Andresen. O filme é baseado no romance Morte em Veneza, publicada pela primeira vez em 1912 como Der Tod in Venedig pelo autor alemão Thomas Mann.

    O protagonista, Gustav von Aschenbach, viaja para Veneza por motivos de saúde. Lá, ele se torna obcecado com a beleza deslumbrante de um adolescente polaco chamado Tadzio que está hospedado com sua família, no Grand Hotel des Bains no Lido como Aschenbach.

    Enquanto o personagem Aschenbach na novela é um autor, Visconti mudou sua profissão com a de um compositor. "Jogar o papel" da música Aschenbach no filme é a música de Gustav Mahler, em particular o movimento Adagietto de sua Quinta Sinfonia, que abre e fecha o filme, e as seções de sua Terceira Sinfonia. Além desta alteração, o filme é relativamente fiel ao livro, mas com cenas agregado onde Aschenbach e um debate com músico amigo a estética degradadas de sua música, mais uma vez, este tem paralelos diretos na vida e obra de Mahler, especialmente quando Aschenbach é desempenhado um extrato de seu próprio trabalho, que, na realidade, é Adagietto do quarto movimento da Quinta Sinfonia de Mahler.

    Enquanto Aschenbach tenta encontrar paz e tranquilidade, o resto da cidade está sendo tomada por uma epidemia de cólera, e as autoridades da cidade não informaram os turistas do problema por medo de eles deixarem a cidade. Como Aschenbach e os outros convidados sairam em excursão de um dia para fora do centro da cidade que finalmente amanhece sobre eles que algo está seriamente errado. Aschenbach decide sair, mas em um momento de impulso decide ficar. No entanto, ele mesmo está morrendo. Rejuvenescido pela presença de Tadzio, embora eles nunca realmente conversaram, ele visita os barbeiros que, em suas palavras, "retorna para você apenas o que foi perdido", tingimento seu cabelo preto e cinza clareamento seu rosto e vermelhidão seus lábios para tentar fazê-lo parecer mais jovem. Como ele deixa a barbearia, o barbeiro, exclama: "E agora Senhor está pronto para se apaixonar assim que lhe agrada". Aschenbach ainda continua a olhar para Tadzio de longe, este último mais consciente de que ele está sendo olhado. Na cena clímax, Aschenbach vê Tadzio sendo espancado na praia por um menino mais velho. Quando lançado, Tadzio anda longe dele sozinho em direção ao horizonte. De repente, ele se vira para olhar para Aschenbach, em seguida, virando-se para enfrentar o sol, e estica o braço em direção a ele. Aschenbach também, estende sua mão para alcançar Tadzio, e naquele exato momento, agravada pelo crescendo em Mahler Adagietto, ele morre de infecção do cólera. Algumas pessoas notá-lo desabou em sua cadeira e alertar o pessoal do hotel. Eles, então, levar o corpo Aschenbach para longe.
    Abraço amigo e votos de Happr Valentim Day

    ResponderExcluir
  4. Caro amigo António Cambeta!
    A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse-me que o Detetive Pardal gostou do livro e também da versão cinematográfica no viés do notável cineasta Luchino Visconti!
    Caloroso abraço! Saudações viscontianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. Uma das situações em que prefiro o livro ao filme.
    Reli o livro muito recentemente.
    E lê-se quase de um fôlego.
    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Certamente apreciaste mais ainda o livro após a reeleitura!
    Caloroso abraço! Saudações leitoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge