O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sábado, 4 de agosto de 2012

Teatro de Marionetes da cidade do Porto

Caros(as) confrades!
Tenho a grata satisfação de apresentar o Teatro de Marionetes da cidade do Porto!!! Nesta certamente hospitaleira cidade reside meu estimado amigo Rui da Bica!!!! Fiquei encantado com o profissionalismo e tarimba dos manipuladores!!!!!!

4 comentários:

  1. Caro João Paulo, antes de mais muito grato pela citação !
    Curiosamente nunca assisti a nenhum dos espectáculos de "Grupo" !
    O teatro de "marionetes" é muito popular (no verdadeiro sentido da palavra). É normal ver-se nas feiras / festas, de rua uma barraquinha (como a do 1º vídeo), coisa muito simples e nesses espectáculos de rua apenas se vêem os bonecos manuseados com fios pelos artistas que dão a voz (as marionetes) que são a delícia da pequenada ! Lembro-me bem como gostava de ver as cenas de pancadaria entre casais de marionetes que passavam o tempo todo a bater um no outro com um pau ! Era delirante para a pequenada.
    Estes espectáculos deste grupo de teatro são já muito mais evoluídos como se pode ver pelos vídeos e deixaram-me impressionado, pois não conhecia ainda este grupo !
    Obrigado por trazê-los aqui !

    Grande abraço !
    .

    ResponderExcluir
  2. Estimado amigo Rui da Bica!
    Felizardos são seus patrícios que têm a prerrogativa de assistirem os espetáculos produzidos por estes notáveis artistas!!!!
    Como é revigorante saber que estamos sempre aprendendo e nos encantando !!!
    Caloroso abraço! Saudações teatrais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    PS - Nossa amada língua portuguesa sempre nos fascina por conta das variações linguísticas!!!! Enquanto vocês dizem marionetas aqui dizemos marionetes...

    ResponderExcluir
  3. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    São lindas essas marionetes, tal como o amigo Rui da Bica nunca assisti a um dos seus espectáculos, porém não são os mais famosos em Portugal, os Bonecos de Santo Aleixo esses sim, que já correram mundo e tive o previlégio de os ver atuar aqui em Macau.

    Estes títeres tradicionais do Alentejo parece terem tido a sua origem na aldeia que lhes deu nome. são títeres de varão, manipulados por cima, à semelhança das grandes marionetas do Sul da Itália e do Norte da Europa, mas diminutos - de vinte a quarenta centímetros. Na dinastia que ora estudamos e que vem dos meados do século XIX, foram "inventados" ou "reelaborados" os seus textos por um certo Nepomuceno - o velho Nepomuceno - guarda de herdades, segundo parece, natural de Santo Aleixo que, vendo-se numa rixa de que resultou a morte de um homem, se refugiou em São Romão, Vila Viçosa, perto da fronteira com Espanha, dedicando-se aí, para subsistir, ao ofício de "bonecreiro".

    O estojo de bonecos e textos tradicionais, que eram somente transmitidos via oral, chegaram às mãos de Ti'Manel Jaleca através de sua mulher, que os recebeu directamente dos seus antepassados.

    Manuel Jaleca, que manteve o espectáculo durante algumas décadas, conheceu entretanto António Talhinhas, camponês dotado de grande poder de improvisação e cantador, que veio a imprimir grande dinâmica à companhia, acabando por comprar todo o espólio, passando Jaleca a seu empregado.

    Ao que parece não são - ou melhor, não foram - os únicos "Bonecos de Santo Aleixo" que percorreram a nossa província. Jám em 1798 o Padre Vicente Pedro da Rosa mandara apreender e queimar, defronte da sua casa uns títeres "a que chamavam de Santo Aleixo e em que figurava desonesta e vielmente um Padre Chanca" no dizer do Padre Joaquim da Rosa Espanca, in "Memórias de Vila Viçosa".

    Estes, os Bonecos que hoje se apresentam, foram pertença da família Talhinhas durante cerca de três décadas e a partir de 1967 "dados a conhecer ao mundo do culto" por Michel Giacometti e Henrique Delgado.
    Conhecidos e apreciados em todo o país, com frequentes deslocações aos locais onde tradicionalmente se realiza o espectáculo, os Bonecos de Santo Aleixo participaram também em muitos certames internacionais fora do país (Espanha, Bélgica, Holanda, Inglaterra, Grécia, França, Moçambique, Alemanha, Macau, China, Índia, Tailândia, Brasil, Rússia e México) e são anfitriões da Bienal Internacional de Marionetas de Évora - BIME que se realiza desde 1987.
    Abraço amigo
    Ps - poderá ver através da Youtube esses belos bonecos.

    ResponderExcluir
  4. Estimado amigo António Cambeta!
    Agradeço a preciosa informação!!! Vou assistir no Youtube!!!
    Caloroso abraço! Saudações marionetes!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge