O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Eu e a Madre Franciscana




Caros(as) confrades!
Com a devida anuência do meu estimado confrade e amigo António Cambeta publico, neste vagão do Expresso do Oriente, a história picante e bacante que ele me contou!!! A lambisgoia da Agrado e a copeira Hermenegilda não veem a hora de embarcarem num longo em cansativo voo transoceânico, com conexões, para conhecer em carne e osso o garboso e vigoroso Cambeta!!!!
Com vocês o tarimbado Cambeta!!!!



"Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,

Para satisfazer a sua curiosidade aqui vai a narração verídica de mais um episódio de minha vida, no caso concreto entre mim doente internado no hospital governamental de Macau e uma Madre Fanciscana.

Era um jovem bonito e atraente, tal como pode verificar pela foto enviada em anexo, faltavam apenas 4 meses para terminar a comissão de serviço militar em Macau e regressar a Portugal, quando recebi, através de familiares, informações sobre o comportamento da minha namorada, que vivia com minha tia em Lisboa, mas o deixou de lá morar para se juntar com um fulano, tendo sido encontrada por um irmão meu no Parque Eduardo VII com esse tipo, fazendo amor.Essas notícias me transtornaram imenso, ainda lhe escrevi para saber o que se passava, mas até aos dias de hoje nunca recebi qualquer resposta.Triste pela perda do primeiro amor que tive, comecei a meter-me nos copos e todos os dias, depois do serviço apanhava a camada, quer dizer me embriagava. Passei mal emocionalmente e talvez fisicamente, pelo que tive que recorrer aos serviços médicos militares, cujo médico que me assistiu me mandou baixar ao hospital governamental para fazer exames ao fígado.Como tinha o posto de Sargento, fui internado num quarto de 2a. classe, que tinha somente duas camas, por essa altura em Macau, o hospital governamental tinha três classes, a 1a. para os Oficiais e gente graduada, a segunda para os de posição intermédia e a terceira para a malta em geral.No hospital quem tomava conta das enfermarias eram madres franciscanas, a Madre que trabalhava na enfermaria de medicina geral era natural de Shangai, de origem portuguesa, jovem e muito linda, mas igualmente mandona.As madres, por eu ser português, gostavam muito de mim e estavam sempre em meu redor dando-me todo o carinho e uma alimentação especial, incluindo vinho tinto rsrsrs.Fis todos os exames médicos e nada me encontraram, como tal deveria ter alta e regressar ao quartel, mas a Madre Pia, lá falou com o médico, que seria, mais tarde meu padrinho de casamento, para eu ficar mais duas semanas para recuperar e assim foi.Porém numa manhã essa Madre entrou no meu quarto e fechou a porta à chave trazendo numa das mãos uma algária, mandou que eu me despi-se e pegando no meu pénis me enfiou a algária no pénis, ainda lhe perguntei para que servia aquilo já que eu não sofria de incontinência urinária nem tinha problemas na bexiga, mas ela, depois de retirar a algária, com um pano humido me limpou os genitais e logo deseguida embocou fazendo um valente broche, surpreendido fiquei fiquei mas ainda mais surpreendido fiquei, quando ela levantou as vestes e saltou para cima de mim cavalando a seu prazer até que lá me vim rsrsrs, e foi assim durante algumas manhãs, ela era mesmo boa a foder e tinha uma par de marmelos, mamas, bem giras e giras, ela era jovem, teria talvez uns 28 ou 29 anos.As criadas desconfiadas com o que se passava todos os dias no meu quarto, começaram a lançar boatos que eu andava a comer a madre e dessa fama e proveito não escapei.Porém um dia baixou ao hospital um cabo do exercito sendo internado na enfermaria de terceira classe, esse cabo era um latagão e a Madre fez com que ele passa-se para um quarto de segunda classe, e deve ter repetido a mesma dose com ele deixando-me em paz, deve ter gostado mais da ferramenta dele rsrsrs.Esse cabo poucos dias depois teve alta do hospital, e no quarto onde tinha estado passou a ser ocupado por um português funcionário das Finanças cuja esposa tinha falecido ainda à pouco tempo. A Madre lá engraçou com ele e com ele se amantizou deixando de ser Madre e indo com ele para Portugal.Lá em Portugal, por razões que desconheço, deixou esse senhor e se amantizou com um antigo colega meu da Polícia Marítima e Fiscal de Macau e com ele viveu até ele falecer, na altura que se juntou com ele, já ele era uma pessoa entrada nos anos, e sendo ela ávida em fazer sexo, por certo lhe enfeitou bem a cabeça.Resumo da história, os médicos e todo o pessoal que trabalhava no hospital do governo diziam à boca cheia que eu era o comilão das Madres, um dia fui consultado por uma médica chinesa e ela me perguntou se conhecia esta ou aquela Madre e eu lhe respondi com toda a verdade, bem, essa médica veio a engraçar comigo e passamos a namorar essa médica. Foi a pessoa com quem casei no ano de 1968 e é a minha esposa.Mas havia uma outra Madre, esta espanhola, Madalena seu nome, que trabalha nos quartos de primeira classe e que foi apanhada a ter relações sexuais com o Bispo de Macau, grandes Franciscanas, ou melhor grandes fudelhonas rsrsrsr, que fazendo mérito à sua Ordem não pertenciam às Humilhadas, mas sim à outra Ordem das sem Calcinhas rsrsrs.Segundo diziam as criadas todas as semanas o Bispo a visitava e ficavam fechados num quarto de primeira, não só o Bispo como vários padrecos cá da urbe.Mas tenho uma outra história ainda mais rocambolesca passada a bordo de uma avião, numa viagem que efectuei de Vancouver para Hong Kong, que na próxima oportunidade contarei. Eu escrevi essa passagem, terei que ver onde a coloquei, mas digo-lhe que é uma sessão fantástica de fazer amor no ar rsrsrsr.Abraço amigo, e por favor não conte à Lambisgoia do Agrado senão ela por cá me aparece quando menos espero."



































4 comentários:

  1. São as fraquezas do gênero humano..Mais um motivo para se repensar sobre a hipocrisia que reina há décadas, dentro da Igreja Católica.
    Esta história contada e vivida pelo amigo Antonio Cambeta é mais um testemunho disso.
    A cada dia sou mais cética sobre as instituições religiosas e seus seguidores.

    abços.


    abços

    ResponderExcluir
  2. Cara confrade Cristina Fonseca!
    Estou de pleno acordo com suas sensatas considerações!
    Caloroso abraço! Saudações reveladoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Estimado Amigo e Ilustre Prof. João Paulo.
    Será para dizer uma Ordem Franciscana-Militar, onde as madres sabem cavalgar, embora não sejam de cavalaria sabem montar e de que maneira.
    Abraço amigo e vosots de óptimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Reitero meus agradecimentos por ter me autorizado a publicar a história que me contou!!!
    Agradeço e retribuo os auspiciosos votos!!!
    Caloroso abraço! Saudações reveladoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge