O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

terça-feira, 19 de junho de 2012

"Dead of Night" entre nós "Na Solidão da Noite" Película imperdível de 1945

Caros(as) confrades!
Finalmente, após minuciosa, consegui descobrir o nome da imperdível película inglesa de 1945 que nos deixa fascinados !!!!
Para assistir a película na íntegra e com legendas em português cliquem na película e assista no YOUTUBE onde na barra inferior encontra-se disponível a opção para traduzir a legenda em vários idiomas!!!
A seguir transcrevo a ficha completa da película evidentemente citando a fonte:

http://juvenatrix.blogspot.com.br/2005/12/na-solido-da-noite-1945.html


Bom divertimento!!!!
LUZES!!!!!!!!!!! CÂMERAS!!!!!!!!! AÇÃO!!!!!

Na Solidão da Noite (Dead of Night, Inglaterra, 1945)


Considerado um grande sucesso de público e crítica na sua época, “Na Solidão da Noite” (Dead of Night1945) foi um dos primeiros filmes de horror realizado na Inglaterra desde o começo da Segunda Guerra Mundial, pois a censura havia banido os filmes desse gênero por causa do excesso de violência e a maioria dos filmes americanos passava despercebidos por lá até 1945.
O filme é um dos precursores de um estilo que seria muito explorado posteriormente, principalmente pelo estúdio inglês “Amicus” no início dos anos 70, ou seja, a apresentação de várias histórias de temas sobrenaturais em forma de antologia. “Na Solidão da Noite” é dividido em cinco contos de horror interligados por um tema central e dirigidos por quatro grandes cineastas (um deles é o brasileiro Alberto Cavalcanti), tornando-se um clássico do gênero e fonte de inspiração para várias obras que se seguiram. Foi produzido pela “Ealing Studios”, responsável também por outro filme importante com temática de fantasmas do mesmo período, “The Halfway House” (1943), dirigido por Basil Dearden.

O roteiro apresenta a história de um arquiteto, Walter Craig (Mervyn Johns), que sofre constantemente pesadelos horríveis e é convidado a passar um fim de semana numa casa de campo, onde os proprietários pretendem fazer umas reformas. Ao chegar, ele se surpreende ao encontrar exatamente as mesmas pessoas que participam de seus pesadelos. Elas, que nunca haviam visto o arquiteto antes, passam então a narrar casos fantásticos que viveram.
A primeira história, “The Hearse Driver”, dirigida por Basil Dearden, é sobre um piloto de carros de corrida, Hugh (Anthony Baird), que após um grave acidente nas pistas, sobrevive milagrosamente. Ao sair do hospital, ele escapa novamente da morte ao não embarcar num ônibus que sofreu logo em seguida um trágico acidente, graças a um misterioso aviso de um agente funerário (Miles Malleson).
“The Christmas Story” é o segundo episódio, com direção de Alberto Cavalcanti. Conta a história de uma jovem garota, Sally O’Hara (Sally Ann Howes), que numa festa de natal numa velha mansão, encontra um garoto chorando na escuridão de um quarto oculto, desconhecido na enorme casa. Mais tarde ela descobre que ele havia sido assassinado naquele local, por sua irmã, dezenas de anos antes.
O terceiro caso apresenta uma das mais fascinantes histórias de fantasmas do cinema. “The Haunted Mirror”, de Robert Hamer, fala de um velho espelho pertencente a um aleijado que havia assassinado sua esposa. Comprado por Joan (Googie Withers) como um presente de aniversário ao seu marido Peter (Ralph Michael), o espelho passou a refletir a personalidade doentia de seu primeiro dono, incitando Peter a tornar-se um louco homicida e tentar matar sua esposa.
Entre a narração desses acontecimentos sobrenaturais, o grupo de pessoas da fazenda discutia o sonho do arquiteto no qual eles estavam envolvidos, e comentavam suas próprias experiências fantásticas, com o fórum de discussão sendo liderado pelo psicólogo Dr. Van Straaten (Frederick Valk), que procurava sempre encontrar uma explicação lógica e racional para os misteriosos fatos.
O quarto episódio é o mais fraco de todos, apesar de ser baseado numa história do grande escritor Herbert George Wells (autor de clássicos como “A Guerra dos Mundos”, “O Homem Invisível”, “A Ilha do Dr. Moreau”, “Os Primeiros Homens na Lua” e “A Máquina do Tempo”). “The Golfing Story” é dirigido por Charles Crichton, com uma história de fantasmas apresentada com elementos de humor. Dois jogadores de golfe rivais, George e Larry (Basil Radford e Naunton Wayne, respectivamente), disputavam o amor da mesma mulher, Mary (Peggy Bryan), através de uma partida de golfe. Quando Larry é enganado pelo companheiro, ele comete suicídio afogando-se num lago. A partir de então, George, o trapaceiro que venceu o jogo, é atormentado pelo fantasma do oponente morto.
Alberto Cavalcanti dirigiu também o último e mais famoso de todos os episódios, “The Ventriloquist’s Dummy”, estrelado por Michael Redgrave. Ele é Maxwell Frere, um esquizofrênico ventríloquo que apresenta uma dupla personalidade: a sua própria e a do boneco que manipulava. O boneco, chamado Hugo, acabou induzindo-o a matar um outro ventríloquo rival, o americano Sylvester Kee (Hartley Power), sendo preso por isto. Esta história teve um paralelo interessante no clássico “Psicose” (1960), de Alfred Hitchcock, na incrível similaridade com o personagem insano Norman Bates (interpretado por Anthony Perkins), que também apresentava uma dupla personalidade, a sua própria e da falecida mãe possessiva. A história sobrenatural do boneco do ventríloquo foi refilmada diversas vezes depois. Em 1962, num episódio da nostálgica série de TV “Além da Imaginação”, com o nome “The Dummy”, escrito por Rod Serling e estrelado por William Shatner (o eterno Capitão Kirk de “Star Trek”). E ainda, no episódio “The Glass Eye” da série de TV “Alfred Hitchcock Presents”. Já em 1978 tivemos um interessante filme chamado “Um Passe de Mágica” (Magic), dirigido por Richard Attenborough e com Anthony Hopkins e Burgess Meredith no elenco. Outro filme que explora esse tema é "Gritos Mortais" (Dead Silence, 2007), de James Wan.
Após o relato desses casos incomuns, o arquiteto é perseguido por todos os personagens das histórias e acorda repentinamente assustado, descobrindo estar em sua própria casa novamente. Passado mais esse pesadelo, ele recebe um novo convite para pousar por alguns dias numa casa de campo e... todo seu drama se inicia novamente. Percebemos que há um ciclo fechado no tempo envolvendo os horríveis pesadelos, reais ou não, de um perturbado arquiteto.

“Na Solidão da Noite” (Dead of Night, 1945) – avaliação: 9 (de 0 a 10)
site: www.bocadoinferno.com / blog: www.juvenatrix.blogspot.com (postado em 05/12/05)

Na Solidão da Noite (Dead of Night, Inglaterra, 1945). Ealing Studios. Preto e Branco. Duração: 104 minutos. Direção de Alberto Cavalcanti, Basil Dearden, Robert Hamer e Charles Crichton. Roteiro de John Baines e Angus Macphail, baseados em histórias de H. G. Wells, John Baines, E. F. Benson e Angus Macphail. Produção de Michael Balcon. Música de Georges Auric. Elenco: Mervyn Johns, Roland Culver, Frederick Valk, Mary Merrall, Renee Gadd, Barbara Leake, Anthony Baird, Judy Kelly, Miles Malleson, Sally Ann Howes, Michael Allan, Robert Wyndam, Googie Withers, Ralph Michael, Esme Percy, Basil Radford, Naunton Wayne, Peggy Bryan, Michael Redgrave, Hartley 
Power, Allan Jeayes, John Maguire, Magda Kun, Elizabeth Welch, Gary Marsh.

4 comentários:

  1. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo,
    Quando essa Solidão da Noite passou nos ecran de todo o mundo, tinha eu 1 anito de idade, nem à noite sentia a solidão.
    Este grande filme, como pude ficar a saber graças ao seu relato tem um enrendo maravilhoso cujo arquitecteto a estas horas deverá estar desenhando um novo palácio mas lá nos céus....
    Felizmente que não fui perseguido dessa forma, e a minha solidão é uma solidão linda tendo o mar e so sol por companhia.
    Adorei, abraço amigo

    ResponderExcluir
  2. Logo que possa irei ver!
    Faz-nos falta o nosso Rui da Bica, não faz?

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Estimado confrade e amigo António Cambeta!
    Este filme é imperdível!!!
    Caloroso abraço! Saudações cinéfilas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  4. Cara confrade Rosa dos Ventos!
    Tenho certeza que você apreciará a película indicada!!!
    Tenho grande apreço pelo nosso querido amigo Rui da Bica!!! Não vejo a hora de vê-lo a frente da Escolinha do Professor Rui!!!
    Caloroso abraço! Saudações fraternais!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge