O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Baleia

Caros confrades/memorialistas!
O periódico "Diário do Grande ABC" publicou uma reportagem na edição do dia 25, do mês em curso, informando que a "Baleia", como muitos andreenses chamam o Hipermercado Extra, encerrará suas atividades comerciais na semana vindoura.
Escrevi a missiva a seguir transcrita e a enviei ao DGABC, que a publicou na edição de hoje, todavia a missiva que enviei não foi publicada na íntegra.
Fico cá a divagar os motivos que levaram o editor a tornar esta decisão.
Será que o copidesque foi por questões de espaço ou não foi considerado de bom alvitre tornar de domínio público seu inteiro teor?
Caloroso abraço! Saudações inquiridoras!
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver

"Senhor Editor, bom dia!
Fiquei surpreso e concomitantemente melancólico ao ler na edição de hoje, deste prestigioso Diário, que a Baleia deixará de funcionar, na semana vindoura, por questões mercantilistas.
Lembro, com saudades, da construção da Baleia e, se minha combalida memória não falha, o projeto da edificação deste empreendimento comercial previa também a construção de um edifício comercial de vários andares que, como é do conhecimento de todos os andreenses, nunca saiu do papel.
Minha saudosa mãe fazia compras neste hipermercado e, na época que começou a funcionar, eu era adolescente, que tinha como um dos programas diletos, acompanhado da minha turma, ou como dizem na contemporaneidade: tribo, adentrar neste recinto comercial para paquerar e trocar as mercadorias de lugar nas prateleiras. Um dia fomos flagrados por fiscais da loja fazendo esta peraltice... Claro que fomos severamente admoestados e nunca mais tive a audácia de praticar este ato ilícito. Saudades deste tempo que jamais retornará.
As reminiscências que tornei de domínio público deixa patente como a Baleia tornou-se parte do cotidiano dos andreenses, que a partir da semana vindoura deixarão de ter mais esta opção de compras e, mais do que isto, ficarão com a impressão que foram privados de algo que fazia parte de suas identidades. 
Fico cá a divagar quantos casamentos foram factíveis, porque os "pombinhos" se conheceram num dos corredores da Baleia...
Reminiscências à parte, o que também deixou-me surpreso é que até os dias em curso, eventualmente faço compras na Baleia, principalmente quando vou visitar uma irmã que reside nas imediações e, neste ocasiões, o vejo sempre lotado e nunca fico menos de 20 minutos na fila.
Depois do fechamento, quem sabe até antes do finall desta década, vejamos um daqueles imponentes condomínios, destinados a classe média alta, no local que funcionava a nossa querida Baleia, que terá como vizinho um mega empreendimento, digo, templo também mercantilista.
Isto posto, trago à baila o seguinte questionamento: será que de fato este empreendimento comercial tornou-se deficitário ou uma oferta milionária para adquirir o terreno deu comichão nos proprietários da Baleia?
Depois que a Baleia "morrer na praia" será incluída no rol da memória andreense, como por exemplo, o alarido das porteiras da Estação de Santo André alertando os pedestres e máquinas rodantes que ficariam fechadas ou abertas para a passagem dos trens de subúrbio, bem como aqueles que tinham como final a Estação do Valongo (saudades), além dos trens de carga, da Papelaria e Livraria Belletato, do Foto Muito Bom, dos Cines Carlos Gomes, Santo André, Tangará e Tamoyo, do Banco da Lavoura, das Lojas Eduardo e Ducal, do afiador de facas, que sabíamos que passava nos logradouros públicos que morávamos por conta do inesquecível alarido que faziam, dos ônibus vermelhos que ligava à Vila a Santo André, do salão de barbeiro do Sr. Antônio que ficava em frente a mansão dos Jovitas, lá na Vila Assunção (nunca sei dizer se no 1º ou 2º Largo), da fábrica de tecelagem, que ficava no mesmo local da agonizante Baleia.
Saudações memorialistas/inquiridoras.
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver"

2 comentários:

  1. Casto confradamigo

    Com cartas destas ainda vais parar à Patagónia-sur-mer ou a Novossibirsque do Sul. Toma cuidado! Os coronéis não dormem,,, e Deus só passa pelas brasas

    Abç

    ResponderExcluir
  2. HeneriquAmigo!
    Terei cautela.
    Caloroso abraço! Saudações cautelosas
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver

    ResponderExcluir

Google+ Badge