O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

sábado, 24 de agosto de 2013

Memória familiar

Caros confrades/passageiros!
Tenho a gratíssima satisfação de publicar neste vagão do Expresso do Oriente, sob meu comando,  que também como escopo trazer à baila a memória familiar, o brilhante texto da lavra da minha estimada amiga, a jornalista e escritora Nívia Andres, que reside na cidade de Santiago, localizada no pujante estado meridional do Rio Grande do Sul!
Esta sensibilíssima crônica desvela com primor e deixa patente o motivo pelo meu apreço pela memória familiar!
Sempre fico enternecido quando me deparo com a brilhante pena da Nívia Andres, que me dá esperança de dias melhores num mundo harmonioso!

"REFLEXÕES

Martha Medeiros, escritora festejada e excelente cronista de Zero Hora, nos ofereceu, certa vez, no Caderno Dominical Donna, um texto comovente por sua profundidade e sutileza, suscitando uma série de indagações - O último a lembrar de nós. Martha faz referência ao livro de Amós Oz, Rimas da Vida e da Morte, em que o autor comenta, a certa altura da narrativa: "A gente vive até o dia em que morre a última pessoa que lembra de nós. Pode ser um filho, um neto, um bisneto ou um admirador, mas enquanto essa pessoa viver, mesmo a gente já tendo morrido, viveremos através da lembrança dele. Só quando essa pessoa morrer, a última que ainda lembra de nós, é que morreremos em definitivo, para sempre. Estaremos tão mortos como se nunca tivéssemos existido."

Esta crônica deve ter mexido com a sensibilidade de muitas pessoas, não só com a minha, por suposto. O que fazemos para preservar a memória das pessoas a quem amamos e já partiram? Lembramos delas constantemente, só no nosso coração, onde estão instaladas para sempre, ou fazemos questão de lembrá-las aos filhos, sobrinhos, netos, bisnetos, amigos comuns e admiradores?

Lendo a crônica da Martha, lembrei-me de meu pai e de como fazemos questão, em família, de perpetuar sua memória, de tão boas lembranças, ações e atitudes. Só um de meus nove sobrinhos conheceu o Avô Luiz - a Marcela, ainda muito pequena, tinha só três anos quando ele faleceu. Mas todos sabem como o avô era, o que ele fazia, do que ele gostava, o que ele nos ensinava. Sabem mais - podem sentir a felicidade que o avô teria se pudesse conhecê-los e conviver com eles, tal a força do amor deste homem a quem tivemos a honra de chamar de Pai! Talvez seja por isso que, mesmo de maneira inconsciente, frequentemente me refiro a ele, em meus textos, exaltando suas qualidades e relembrando alguns momentos marcantes de nossa convivência...

Martha, em seu texto, também refere que grandes músicos, cineastas, escritores e gente que se notabiliza por alguma razão específica conseguem uma "imortalidade estendida", mas serão sempre lembrados "por sua imagem pública, não mais a privada - não mais a lembrança da voz ao acordar, da risada, do bom humor ou do mau humor, não mais daquilo que lhe personificava a intimidade..."

E fiquei a pensar. Nós somos mesmo muito passageiros, efêmeros, medíocres - Vivemos num mundo cheio de competição e violência e dele não vamos levar nada. Muitos não vão deixar nem mesmo alguma lembrança do que foram na intimidade,porque não tiveram tempo de construí-la.

E você, o que está fazendo por sua memória?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge