O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Palacete Riachuelo

Caros confrades/passageiros!
Participo de um grupo facebookiano intitulado "SP Antigo - Memória e Preservação": 
O fotógrafo Gilberto Calixto Rios, que é bisneto do nobilíssimo pintor paulista Benedicto Calixto (1853-1927) e que também é partícipe do aludido grupo memorialista, sugeriu aos confrades/memorialistas que nomeassem a edificação da São Paulo antiga de suas predileções!
Acatei o pedido sem titubear e nomeei a minha dileta das diletas de todas as diletas edificações paulistanas antiga, que é o suntuoso e inigualável Palacete Riachuelo, que foi um dos primeiros edifícios de apartamentos da América do Sul e começou a ser habitado em 1927. localizado nas adjacências da Praça da Bandeira.
As duas belíssimas fotografias, que publico, são da lavra do pertinaz e arguto Eli K Hayasaka!
Esta suntuosa edificação, que infelizmente ainda não tive a prerrogativa de conhecer suas dependências internas sempre me fascinou, bem como fez com que tivesse incontáveis vieses sobre as gerações de paulistanos que têm suas histórias de vida ligadas ao meu dileto dos diletos de todos os diletos!
Como sempre faço pedi a boneca Emília cinco pitadas do pó de pirlimpimpim e prontamente a Marquesa de Rabicó me deu!
Depois que aspirei as cinco pitadas do pó mágico abri os olhos e de repente, para o meu deleite inefável, estava numa fria noite de outono, onde estávamos sob a égide da garoa contínua, na capital paulista no ano de 1932, saindo do Teatro Municipal, após ser um dos felizardos espectadores de uma encantadora apresentação da ópera "A Flauta Mágica" de Mozart!
Quando deixei as dependências do Teatro Municipal um vento gélido açoita meu rosto, levanto a gola da minha capa de gabardine e vou em direção ao Palacete Riachuelo, onde resido sozinho e sou um dos primeiros moradores do Palacete num apartamento do 3º andar.
Ao flanar pelo Viaduto do Chá em direção a minha morada vejo se aproximar uma belíssima mulher desacompanhada muito elegante, o que me causa estranheza, porque as onze badaladas do Mosteiro de São Bento acabara de soar. Ela me mira de maneira sedutora e para minha grata satisfação percebo que a conheço, porque ela é uma das solícitas vendedoras da Livraria Saraiva da Rua do Ouvidor, onde sou assíduo frequentador! Sempre tive palpitações exacerbadas e pensamentos impuros (ou seriam puros) quando sou atendido por ela! Ao me reconhecer ela para me cumprimentar e demorei para largar a sua delicada mão. Depois de um breve colóquio fico sabendo que ela reside também sozinha na rua Rego Freitas, bem próximo da Santa Casa de Misericórdia. Neste breve colóquio ela me conta que é desquitada e que chama Hortência de Abreu Toledo, porque não suportou flagrar seu ex-marido na cama com o motorneiro que fazia a linha de bonde da Vila Mariana. Neste ínterim seus encantadores olhos verdes ficaram em água.
Como meu apartamento ficava mais próximo do sobradinho que ela residia  perguntei se ela queria ir ao meu apartamento. Ela aceitou, sem titubear, porque disse que sempre quis conhecer um dos apartamentos do magnífico Palacete Riachuelo e fomos flanando e sem que nos déssemos conta que já estávamos sob a égide do Cupido, que deu duas flechadas certeiras nos nossos solitários corações! Quando chegamos no apartamento, depois que fechei a porta, as convenções sociais tornaram-se letra morta... Tivemos uma noite memorável com reiteradas fornicações, seguidas de orgasmos múltiplos! Como o amor é lindo! Estas  noites memoráveis se repetiam quatro vezes por semana, até o fatídico dia que, para o meu grande desgosto, a Hortência foi atropelada pelo bonde conduzido pelo motorneiro que vivia com seu ex-marido e sua existência cessou de supetão.
Fiquei aniquilado e após providenciar o sepultamento dos seus despojos mortais no jazigo da minha família no sepulcrário da Consolação tornei-me um ébrio amargurado e solitário paulistano.
Ao tornar-me um ébrio amargurado e solitário paulistano os efeitos do pó de pirlimpimpim cessou...
Caloroso abraço! Saudações hortencianas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento

4 comentários:

  1. Lindíssimo e curioso este Palacete que p+or momentos me fez lembrar o Flatiron de Nova Iorque ! :)))

    Abraço ! :))
    .

    ResponderExcluir
  2. Caro Amigo Rui Espírito Santo!
    Apesar da também suntuosa edificação de Nova Iorque ser mais alta e antiga realmente a semelhança é notável!
    Caloroso abraço! Saudações arquitetônicas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento

    ResponderExcluir
  3. Caro Amigo João Paulo de Oliveira,
    Um espaço que, para além da beleza, estimula a nossa imaginação.
    Acabei ontem de ler O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón.
    E, porque a trama gira à volta de um palacete semelhante, lembrei-me logo do livro e fiz a associação do mesmo a estas imagens.
    Que segredos têm aquelas paredes para contar?
    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  4. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Folgo saber que estamos na mesma sintonia!
    Caloroso abraço! Saudações divagadoras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento

    ResponderExcluir

Google+ Badge