O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

terça-feira, 9 de abril de 2013

Reminiscências

Caros confrades/passageiros!
Quando fui eternizado nesta fotografia, no ano de 1962, minhas irmãs mais velhas somente podiam sair de casa se eu fosse segurando vela...
Íamos nos extintos (infelizmente...) Cines Carlos Gomes ou Tangará, na minha cidade de nascença, Santo André-SP...
Elas também subiam e desciam a Rua Coronel Oliveira Lima flertando com os mancebos, que usavam topete imitando o Elvis Presley (1935-1977)...
Outro passeio era o Museu Paulista, mais conhecido como Museu do Ipiranga...
Claro que eu era um vela zeloso...
No escurinho do cinema a ousadia maior das minhas irmãs era pegar na mão do namorico da vez... Sem titubear, eu jurava, que guardaria segredo, e em contrapartida me lambuzava de tanto consumir barras de chocalates que minhas irmãs me davam para selar minha promessa que nada contaria para a nossa saudosa mãe (1923-2008)...
Quando chegávamos em casa não passava uma hora e este linguarudo, digo, vela zeloso, contava tim por tim o que ocorrera no período que eu estava representando o papel de vela zeloso...
Dava o maior bafafá...
Em pensar que na contemporaneidade não é na mão que as moçoilas pegam no primeiro encontro...
Enquanto isto fazia sucesso estrondoso na Fascinante Arte das Imagens em Movimento:
                               LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!
                        

10 comentários:

  1. eheh... Olhe que ainda mantém algumas semelhanças ! :))
    Eu, por acaso, nunca segurei vela, mas também, sempre que saía com a Lena, nunca faltavam velas, atrás, à frente, ou ao lado ! :))
    ... mas havia sempre maneira de as fazer "dar uma volta" ! eheheh ... ficavam era bem caras, mas fazia-se o que era possível ! rsrsrs

    Abraço ! :)))
    .

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo Rui da Bica!
    Na contemporaneidade somente restaram as reminiscências!
    Caloroso abraço! Saudações zelosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  3. Estimado Confrade e Ilustre Prof. João Paulo

    Portugal esse deixei !...
    mas o tempo para mim não parou
    e na vida continuei
    vivendo amando e cá estou

    As horas, para mim, fazem parte dos dias
    e acumuladas fazem anos
    trazendo-nos recordações e saudades
    vivências, amores e desenganos

    O tempo jamais a trás voltará,
    recordo sim o que vivi
    e imensa pena me dá
    daquilo que realizar não consegui

    Minhas esperanças não são vãs
    e na vida prosseguindo
    vendo raiar o sol todas as manhãs
    e, embora fraco o caminho sou seguindo

    O passado e o amor são bem iguais
    que nos invadem de nostalgia
    quando partem não voltam mais,
    é uma lição de psicologia

    Seguindo o eco dos meus passos
    sem ter à espera a saudade
    vivendo sem seus enlaços
    é essa a minha vontade

    Que o tempo vá prosseguindo,
    pois a trás não voltará,
    e eu continue a ouvir o seu batido
    deste coração que cansado já está

    Agora, na terceira idade
    cheia de recordações,
    presiste em ter lugar a saudade
    cheia de vida e de emoções

    Que Deus me vá permitindo
    mais uns anitos para viver
    já que o tempo volvido
    esse jamais o poderei obter.

    Abraço amigo, saudações pardalescas

    ResponderExcluir
  4. Caro amigo António Cambeta!
    Meu outonais olhos ficaram marejados ao me deparar com este sensibilíssimo poema!
    Caloroso abraço! Saudações emocionadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  5. Estimado Confrade e Ilsutre Prof. João Paulo
    O Pardal por vezes é tocado pela musa e a veia poetica vem ao de cima, versátil, mas parco, com suas simples palavras tenta transmitir seus sentimentos, que serão igualmente comuns a muita gente. peço desculpa de uma vez mais o ter sensibilizado e feito marejar seus belos olhos.
    Daqui a pouco seguirei para Macau, por lá o tempo está frio e de chuva, irei apanhar um choque termico, espero encontrar um céu de brigadeiro em mais esta viagens pelos céus do oriente.
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo António Cambeta!
    És um poeta supimpa!
    Desejo-lhe uma ótima viagem de retorno a Macau!
    Caloroso abraço! Saudações poéticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  7. Já eu, que possuia uma bela irmã, era bem tratado pelos galãs das meninas...
    Com isso consegui algumas vantagens, como, andar em carroes sofisticados, lambretas e - o que era gostoso- me puxavam o saco...

    ResponderExcluir
  8. Guardar vela em troca de chocolates?
    Está bem pensado.
    Eu sempre disso que o Mundo é dos espertos!! :)))
    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  9. Caro amigo Todesca!
    Estas reminiscências são indeléveis!
    Caloroso abraço! Saudações saudosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir
  10. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Sem dúvida!
    Caloroso abraço! Saudações espertalhonas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderExcluir

Google+ Badge