O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Continuo a espera de Godot...

Continuo a espera de Godot...
Saudações dionísicas.

Saudações leitoras.

Saudações leitoras.

Seguidores

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Reminiscências de um andreense outonal



Caros confradespassageiross!
Considero este Atestado de Idoneidade Moral, que encontrei nos meus pertences do tempo que estávamos no auge dos anos de chumbo, revelante à memória regional, porque me trás reminiscências do tempo que eu estava no auge da idade primaveril e, por um período de quase um ano, exerci o ofício de Escriturário na secretaria da Faculdade e tinha como função cuidar da vida estudantil e atender os alunos matriculados no curso de Ciências Sociais. Uma das minhas funções, no início do ano letivo, era datilografar com quatro ou cinco cópias (claro que usava o papel carbono e se errasse tinha que começar tudo de novo) listas para serem enviadas ao DEOPS. Lembro de uma aluna matriculado no curso, que tinha jeito de "hippie", que os funcionários da secretaria diziam que era espiã do DEOPS.
O secretário o Sr. Walter Coral, já falecido, era obeso e sempre estava rubro. O diretor, Antonio de Souza Teixeira Junior, era muito cordial e tratava a todos com urbanidade e respeito. O vice diretor, que não lembro o nome, era muito atencioso e requisitava sempre a minha presença para ler em voz alta os textos que ele escrevia e, se necessário fazia as devidas correções na cópia que ele estava a revisar. Nesta época não existia a Avenida Lions...
Também nesta época estavam em pleno funcionamento os inesquecíveis cinemas: Carlos Gomes, Tangará, Tamoyo, Studio Center, acho que também o Santo André. O Tieatro Municipal de Santo André, inaugurado no início da década de 70, deixava os felizardos espectadores encantados e nem piscavam ao assistirem as imperdíveis e inesquecíveis peças, como por exemplo, não em ordem de apresentação: A Guerra do Cansa Cavalo, Mirandolina, Cidade Assassinada, Gemini, Casa de Bonecas, Bent, Mumú, a Vaca Metafísica, Sonho de uma noite de verão, O Homem de La Mancha, Caroliano,m Equus e tantas outras, que me deixavam propenso a:
- refletir.
- rir.
- chorar.
- ficar inquieto.
- me sentir feliz.
- a questionar as atribuições e atribulações do cotidano.
Enfim, possibilitaram que eu estivesse sempre disposto a aprender a aprender e, principalmente, ter outros vieses para o meu modo de vida.
Lembro, como se fosse hoje, que sai atordoado e sem chão do Cine Belas, depois da exibição da imperdível e inesquecível película "Violência e ", dirigida pelos notável e inesquecível cineasta Luchino Visconti (1906-1976). Quando lembro do personagem do professor, brilhantemente personificado, pelo tarimbado e talentoso ator Burt Lancaster (1913-1994), fico com um nó da garganta, porque a solidão que atormentava o professor era atroz... A cena final é de tirar o fôlego...
Também foi no início da década de 70, que foi inaugurada a Avenida Perimetral, que mudou a paisagem urbana andreense.
Nesta época, se minha combalida memória não falha, ainda existia as porteiras da Estação de Santo André (com todo respeito que tenho pelo meu conterrâneo, o saudoso Prefeito Celso Daniel, ainda não acostumei a chamar a Estação que foi renomeada com o nome do erudito e carismático político, que teve sua existência interrompida de supetão por asseclas dos irmãos Metralhas, até agora impunes...), Lembro com muitas saudades do alarido que as porteiras faziam ao abrirem e fecharem, e separavam a minha cidade de nascença em duas partes, o lado de cá (o meu) e o lado de lá da linha, onde residem os meus queridos amigos Jorge Magyar e Kiusam de Oliveira. Saudades dos imponentes trens de subúrbio, que eram prateados.
A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que os leitores destas reminiscências estão a bocejar de tanto tédio ao ler as reminiscências de um professor aloprado e sugeriu que eu pare de arreliá-los.
Esta língua de fogo não me dá sossego.
Caloroso abraço! Saudações andreenses/guarujaenses/diademenses!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

2 comentários:

  1. Recordações de um passado que fica sempre presente, Amigo João Paulo de Oliveira?
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    São reminiscências que me deixam enternecido.
    Caloroso abraço! Saudações saudosas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver!

    ResponderExcluir

Google+ Badge