Bem-vindos ao meu vagão do Expresso do Oriente!!!!!...

Bem-vindos ao meu vagão do Expresso do Oriente!!!!!...

Todos a bordo

Todos a bordo
O que nos espera na próxima estação?!...

Irmã Gyoconda Ferro Salgado

Irmã Gyoconda Ferro Salgado

Seguidores

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O mês de setembro chegou!

LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

Caros confrades/passageiros!
Quando a película "Come September", aqui intitulada "Quando Setembro Vier", do ano de 1961, estreou na fascinante Arte das  Imagens em Movimento eu era um petiz e vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, que somente podiam ir ao Museu do Ipiranga ou ao cinema na companhia do Joãozinho, como elas me chamavam!
Se minha combalida memória não falha assistimos esta película no extinto Cine Carlos Gomes, que ficava na minha cidade de nascença Santo André-SP, mais precisamente na rua Senador Flaquer esquina da Rua Cesário Mota.
Antes do início da sessão os mancebos ficavam a flanar nos corredores do cinema com o escopo de tirar linha com as moçoilas, que, na  sua maioria, estavam acompanhadas dos seus velas zelosos. Depois de reiteradas linhas para lá e para cá as minhas irmãs consentiam que alguns dos mancebos sentassem ao lado delas. Claro que elas me faziam prometer solenemente - a custa de muitas barras de chocolate e balas -  que não contaria para a nossa saudosa mãe (1923-2008) dos namoricos no escurinho do cinema. Claro que eu jurava, com convicção, que nada contaria à Dona Matilde, que era uma mãe extremosa, que cuidava com zelo e presteza dos seus seis bebezinhos, que não deixaram de existir (o primogênito, dos sete bebezinhos, viveu somente 4 horas do fatídico dia 18 de novembro de 1942) ao chegar na nossa morada, que ficava na rua Javaés nº 182, na Vila Assunção, 
O máximo que minhas irmãs faziam era pegar na mão dos mancebos (em pensar que na contemporaneidade não é na mão que as moçoilas pegam no primeiro encontro...)
Quando chegávamos em casa não passava meia hora e este agora reles escrevinhador outonal, bem como insulso professorzinho primário e coordenador pedagógico aposentado contava tim por tim para a nossa  mãe sobre os namoricos. Dava o maior bafafá...
Caloroso abraço! Saudações zelosas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver

domingo, 31 de agosto de 2014

Martin Jayo


Caros confrades/passageiros!
A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, quando soube deste anúncio foi à trambiqueira, digo, cartomante mexicana, Dolores do Rego Cansanção, que atende numa quitinete decadente lá no bairro paulistano do Glicério.
Ao deitar as cartas que, segundo a vidente, não mentem jamais, arregalou os olhos e disse que se o meu estimado amigo, o tarimbado Prof. Dr. Martin Jayo, resolver se candidatar para concorrer a vaga de Diretor, da conceituada Entidade de Ensino Superior, de pronto será contratado, porque preenche todos os requisitos para desempenhar - com primor - o rol de atribuições e atribulações deste cobiçado cargo de gestor!
Caloroso abraço! Saudações videntes!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver!

PS - Espero que o Martin me convide para ser um dos partícipes da solenidade de posse do cobiçado cargo.
PS II - Aproveito o ensejo para apresentar-lhes a cartomante mexicana.

sábado, 30 de agosto de 2014

23ª Bienal Internacional do Livreo

Caros confrades/passageiros!
O meu estimado amigo Marcos César da Silva foi um felizardo, porque teve a prerrogativa de adquirir livros na 23ª Bienal Internacional do Livro.
Pela primeira vez não saio de uma Bienal com sacolas abarrotadas de livros, porque era quase impossível flanar pelas estandes devido a multidão que estava no Anhembi.
Acho que minha amiga lusa, a Gabriela Lopes, ficaria também atarantada ao se deparar com aquela multidão.
Caloroso abraço! Saudações leitoras!
Até breve...
João Paulo de Oliveira

Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver!

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Mimo da Afrodite

http://jardinsdeafrodite.blogspot.com.br
(Retrato de Madre Paula, do ábum de Boião de Cultura)