O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

O Todesca está na janela apreciando a paisagem...

Expresso do Oriente

Expresso do Oriente

Todos a bordo

Todos a bordo

Restauração e colorização de fotografias.

Restauração e colorização de fotografias.
Caros amigos sem véus e com véus. Com muito gozo divulgo os valiosos préstimos profissionais do meu estimado amigo Reinaldo Elias, que tornou-se um tarimbado especialista em restauração e colorização de fotografias. Pelo criterioso trabalho, que envolve pesquisa e arte os preços cobrados pela restauração e colorização são módicos. Para solicitarem os valiosos préstimos profissionais entrem em contato com o meu querido amigo através do endereço eletrônico: rjelias200@yahoo.com.br Meus outonais olhos estão em água ao lembrar do já distante ano de 1962, quando minha amada e saudosa mãe me levou a uma filial das Casas Pirani, que ficava na Avenida Celso Garcia, para que seu bebezinho nº 6 fosse eternizado nesta fotografia. Embarcamos num trem de subúrbio, um reluzente trem prateado, na Estação de Santo André e desembarcamos na Estação paulistana do Brás. Lembro como se fosse hoje que levei um beliscão da minha genitora, porque eu queria a todo custo embarcar num bonde para chegar as Casas Pirani. Como eram poucas quadras de distância fomos caminhando até o paraíso do consumo. Saudades das Casas Pirani... Ontem, contei ao meu dileto amigo Gilberto Calixto Rios da minha frustração de nunca ter embarcado num bonde paulistano, que para o meu profundo desencanto teve a última linha desativada no ano de 1968, quando estávamos no auge dos nefastos e malditos anos de chumbo. No ano que fui eternizado nesta fotografia fazia sucesso estrondoso na fascinante Arte das Imagens em Movimento a película "Rome Adventure", aqui intitulada "Candelabro Italiano": https://www.youtube.com/watch?v=yLqfxLPga2E que assisti no extinto Cine Carlos Gomes, na condição de vela zeloso das minhas amadas irmãs mais velhas, a Dirce Zaqueu, Jô Oliveira e Maria Inês. Também no ano de 1962 minha diletíssima e saudosa cantora Maysa (1936-1977) deixava sua legião de fãs enternecida com a canção: https://www.youtube.com/watch?v=BeJHOAbkJcg Mãe, sempre te amei, amo e amarei. Saudades... Saudades... Saudades... Caloroso abraço. Saudações emocionadas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo. PS - Apesar dos pesares acho que continuo um petiz sonhador e esperançoso de um novo dia aos moldes da inesquecível personagem Scarlett O' Hara... Max, traga meus sais centuplicado.

Miniconto

Miniconto
Depois que minha neta me eternizou nesta fotografia o telefone tocou. Ao atender a ligação fiquei aterrorizado ao reconhecer a voz de Hades...

Mimo da Monika

Mimo da Monika
O que nos espera na próxima estação?

A viagem continua

A viagem continua
O quie nos espera na próxima estação?

Lambisgoia da Agrado

Lambisgoia da Agrado
Caros confrades/passageiros sem véus e com véus. A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, me surpreendeu porque não a vi trepar (nem preciso dizer que ela adora o outro significado deste verbo principalmente no presente do indicativo) no topo da locomotiva para se exibir e me ofuscar. Caloroso abraço. Saudações exibidas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços e com muita imaginação.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.br
Caros confrades passageiros. O pertinaz duende Himineu, que trabalha - com muito afinco para o Todesca - captou e eternizou o momento que a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, estava reflexiva a apreciar a paisagem no vagão restaurante do Expresso do Oriente sob meu comando. Caloroso braço. Saudações reflexivas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r

Fonte: arqtodesca.blogspot.com.r
Todos a bordo... A viagem continua...

Blogs todeschinianos

Blogs todeschinianos
Fonte: arqtodescadois.blogspot.com.br "Sonhei que o vagão joaopauloinquiridor.blogspot.com havia caído de uma ponte que ruíra... Mas, foi só um pesadelo..." Caros confrades/passageiros! Não me canso de divulgar os imperdíveis blogs do Todesca: arqtodesca.blogspot.com.br arqtodescadois.blogspot.com.br que são Oásis num deserto de alienação cibernética. É louvável a pertinácia deste notável, tarimbado e erudito ser vivente, que brinda seus felizardos leitores com ecléticas publicações que deixam patente sua vasta erudição e bem viver. Caloroso abraço. Saudações todeschinianas. Até breve... João Paulo de Oliveira Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Seguidores

terça-feira, 31 de março de 2015

Max, traga meus sais centuplicado!


Caros confrades/passageiros sem véus ou com véus!

Certamente esta leitora paulistana, na época do nefasto regime militar (1964-1985), tinha no vidro traseiro da sua máquina rodante o famigerado adesivo:
"Brasil, ame-o ou deixe-o".
Depois da estupefação inicial ao ler esta missiva somente me restou rogar em alto e bom som:
- Max, traga meus sais centuplicado!
Caloroso abraço! Saudações estupefatas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

segunda-feira, 30 de março de 2015

Praga

Fonte: arqtodesca.blogspot.com

Caros confrades/passageiros!
O sapiente Himineu (segundo a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, Himineu rima com aquele que nunca deu), fiel e incansável pesquisador a serviço do Todesca, tirou do fundo do arco-da-velha esta irretocável frase, da lavra do nobilíssimo escritor inglês, Daniel Defoe (1660-1731):
"De todas as pragas com que a humanidade é amaldiçoada, a tirania eclesiática é a pior".
Max! Traga meus sais centuplicadas!
Caloroso abraço! Saudações incrédulas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

domingo, 29 de março de 2015

Panelaço


Caros confrades/passageiros!
A seguir transcrevo o que escrevi para uma adorável Fada:
Inigualável Fada Selma D'ouro, veja se aprova o destino que dei a singular obra de arte, que sua varinha mágica (a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que prefere sempre vara tamanho GG e de preferência bem roliça). 
A Alice não viu como ficou o destino final da obra de Arte da Fada Selma, porque foi com meus filhos buscar meu neto, o Márcio, no Hospital São Lucas, porque ele precisou ficar internado para ficar sob os intensivos cuidados dos asseclas de Hipócrates, tendo em vista que sorrateiramente e de supetão ficou sob a égide da nefasta bruxa da pneumonia e graças aos dedicados e competentes médicos, que souberam ministrar doses exatas de poções, que neutralizaram os efeitos maléficos do feitiço lançado pela bruxa da pneumonia, teve alta no dia em curso. 
Caloroso abraço! Saudações paneladas! 
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!


PS - Seu noivo, o valoroso Mago, já retornou da Capadócia? 
Será que ele conseguiu amansar o dragão do São Jorge, que está a soltar - sem parar - fogo pelas ventas, porque está exasperadíssimo com a "Granda Toura Chefa Sentada", como o nobilíssimo José Simão chama a "incompetenta" pilota, que se trancou a mais de 200.000.000 chaves na cabine de comando, da gigantesca máquina voadora, que tem no comando a pilota "incompetenta", que está a deixar os indefesos passageiros aterrorizados, com a violentíssima turbulência, que estão sujeitos devido a incúria da pilota e não tem esperança de rotas em céu de brigadeiro, porque além de estar a padecer da síndrome dos três macaquinhos, não quer deixar nem que a vaca tussa (o que deixa a situação mais desgraçada é que a vaca tossiu e já atolou no brejo), não quer descer do salto alto para calçar as sandálias da humildade, deixar de ser mentirosa, arrogante, teimosa, bem como ter o atrevimento mor de tirar os direitos dos trabalhadores, bem como desejar intensamente que milhões de urubus levem - com celeridade - nos seus bicos de carniça os indesejáveis, combalidos e desrespeitados aposentados, que muito contribuíram para a pujança da nossa amada Pátria, que ainda tem palmeiras e sabiás e agora são considerados peso morto por aquela vil ser vivente que destila fel, mentiras e desesperança?

sábado, 28 de março de 2015

Nobilíssimo naturalista Charles Darwin (1809-1882)

Caros confrades/passageiros, que não usam véus!
Que refrigério saber que tivemos um ser vivente da nossa espécie, o Homo Sapiens, a revelar,  com sapiência e sem véus, que somos como somos, devido a evolução das espécies, ocasionada por fatos cósmicos imprevisíveis, como por exemplo a queda de meteoros de muitos quilômetros de diâmetro ao longo dos cinco bilhões de história, que extinguiu a vida de incontáveis seres viventes,  deste 3º planeta do Sistema Solar, que está contido num dos incontáveis Sistemas Solares, que giram ao redor de bilhões de estrelas da Via Láctea, que está contida num aglomerado de galáxias próximas, que estão contidas  num aglomerado de bilhões de galáxias, que estão contida no Universo, que quiçá está contido em infinitos Multiversos.
Em pensar que a maioria dos meus semelhantes acreditam que somos marionetes manipulados por um suposto ser oniscente e onipresente.
Max! Traga meus sais centuplicado!
Caloroso abraço! Saudações racionais!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

sexta-feira, 27 de março de 2015

Memória familiar


Caros confrades/passageiros!
Agradeço sobremaneira a deferência do meu estimado amigo, o confrade/memorialista Reinaldo Elias, que gentilmente se prontificou a colorir uma preciosa fotografia do meu acervo familiar, que ficou um primor, onde minha amada e saudosa mãe, a Sra. Matilde Pinheiro de Oliveira (1923-2008) foi eternizada ao lado da sua dileta tia Piedade Monteiro de Oliveira (1902-1977) e duas primas ou amigas, que não sei os nomes, numa visitação que fizeram ao Museu Paulista da USP, mais conhecido como Museu do Ipiranga, provavelmente no ano de 1938 ou 1939.

Antes da primorosa colorização feita pelo criativo Reinaldo, não tinha observado que minha mãe e a sua tia vestiam meias e fiquei intrigado em observar que as demais moçoilas não as vestiam. Também me intrigou ver que a moçoila mais nova trajava um vestido acima do joelho. Como os paulistanos, os "batateiros", como carinhosamente são chamados os sãobernardenses, também iam com frequência visitar o Museu do Ipiranga e flanar nos seus belíssimos jardins.
Fico cá a divagar se minha tia avó Piedade levou a minha mãe para assistir no então recém inaugurado Cine Metro, a película "Melodia da Broadway" de 1938, ou então se minha mãe ficava enternecida ao ouvir no rádio a canção "Nada Além" interpretada pelo inesquecível cantor Orlando Silva (1915-1978).
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

Caloroso abraço! Saudações memorialistas/familiares!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

quinta-feira, 26 de março de 2015

Epístola Pauliana - Conversando com a Dona Mariinha (1910-1998)


Caros confrades/passageiros!
Epístolas Paulianas

Conversando com a saudosa Dona Mariinha (1910-1988).

Diadema, 26 de março de 2015.
Distinta e estimada Dona Mariinha!

Quando o estafeta do nosso amado Imperador Dom Pedro II (1825-1891) entregar esta epístola nas suas etéreas mãos, certamente a Senhora ficará concomitantemente jubilosa e surpresa com o inesperado acontecimento, que quebrou sua rotina Olimpiana e com toda certeza levará – com celeridade – para sua fiel amiga, a Dona Agatha, para que leia, com seu inconfundível sotaque italiano, e também fique jubilosa em saber que seu valoroso, incansável e destemido “menino”, que tornou-se seu fiel ajudante e pupilo, desde os sete anos de idade, o Leôncio Benedito de Souza, resolveu prestar-lhe pertinente tributo a sua Memória escrevendo o livro “O menino de Dona Mariinha”, que deixa enternecidos os felizardos leitores e tão cativados leitores , que não conseguem parar de ler (comecei a ler no dia 23 a partir das 14 horas e terminei a leitura ontem de manhã) a saga da sua radiante e profícua existência, que foi sempre dedicada ao labor, bem como influenciou e mudou o rumo da árdua vida do seu pupilo Leôncio, que por conta de ser um dos filhos de um casal que teve numerosa prole e, apesar de trabalharem incansavelmente, não conseguiam prover de modo pleno o sustento dos seus rebentos. Por este motivo os petizes da família Souza, devido a necessidade premente de recursos pecuniários, tinham que procurar trabalho desde o início da vida escolar e mesmo assim as dificuldades faziam parte do cotidiano da honrada família do seu pupilo.
A história da sua vida e do seu “menino” deixaram meus outonais e caquéticos olhos em água, todavia considero alvissareiro saber que sua pertinácia, zelo e destemor foi um poderosíssimo farol norteador na vida do Leôncio, que na contemporaneidade é um cidadão pleno, atuante, muito competente e estimado pelos seus pares, amigos, entes queridos e regidos, graças a Senhora, que sempre acreditou e instigou-o para que tivesse um futuro promissor.
O seu “menino” deixa patente no tributo que lhe prestou, que a ama sobremaneira e a considera como se fosse da família.
Apreciei sobremaneira saber que a Senhora instigava seu "menino" a aprimorar suas competências leitora e escritora contextualizando os conteúdos escolares nas atribuições e atribulações do cotidiano.
Ele tinha grande apreço em ser seu “menino”, que varria, limpava, lustrava e deixava tinindo o cinema, as edificações da Maçonaria, do Rotary, os jazigos do sepulcrário de Caconde, bem com as casas que a Senhora trabalhava e era muito respeitada e estimada pelos seus empregadores e demais cacondenses.
Seu “menino” a contrariou somente uma vez, porque apesar de saber que a Senhora desejava, depois que fosse para o Olimpo, ficar coberta pela terra e mais nada, fez questão de construir um jazigo para eternizar sua memória, que graças a ele jamais cairá no esquecimento e será lembrada pelas gerações do porvir.
Aproveito o ensejo para pedir-lhe que mande lembranças para seu marido, filho e sobrinho, bem como para a encantadora Dona Agatha.
Que refrigério saber que a Senhora foi uma pessoa que contribui para que outros seres viventes tivessem outro destino.
Com a Senhora nasceu em 1910 e trabalhou muitos anos da sua existência no extinto cinema de Caconde, dedico-lhe uma película de 1910, da fase silenciosa da fascinante Arte das Imagens em Movimento, do tempo que este fascinante e maltratado mundo teve a prerrogativa de vê-la chegar à luz e a Senhora manava, chorava, dormia e vivia sempre sequinha e limpinha sob os cuidados intensivos dos seus entes queridos.
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

Caloroso abraço! Saudações memorialistas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

quarta-feira, 25 de março de 2015

Minha amada imortal, a inigualável atriz Gene Tierney (1920-1991)

em viver sem véus!
Fonte:arqtodesca.blogspot.com

Caros confrades/passageiros!
É como sempre digo o duende Himineu é o maioral, porque encontrou no fundo do arco-da-velha mais uma cena onde minha amada imortal a inigualável atriz Gene Tierney (1920-1991) deixa os tierneyanos sem piscar e sem fôlego ao personificar a obssessiva Ellen Berent, na imperdível película de 1945 "Amar foi minha ruína".
Caloroso abraço! Saudações tierneyanas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

terça-feira, 24 de março de 2015

O menino da Dona Mariinha

Caros confrades/passageiros!

A boneca Emília veio toda esbaforida me contar que os muitos livros, que estão na minha sempre mal arrumada e empoeirada biblioteca a espera que meus outonais e caquéticos olhos finalmente deem a graça de se debruçar sobre eles, fizeram o maior banzé e estão exasperadíssimos, porque souberam que eu tive a audácia e fiz a desfeita de se debruçar - com sofreguidão - no livro que ganhei ontem de mimo da minha querida amiga, parceira de ofício e vizinha Nivone Araujo, proprietária do conceituado Colégio IEMANO que teve a sábia decisão de patrocinar o imperdível livro "O menino da Dona Mariinha", da lavra do meu parceiro de ofício Leôncio Benedito de Souza , que o Educandário tem a prerrogativa de ter como regente e minha amada neta Ana Carolina Oliveira mais ainda, porque certamente nem pisca ao assistir suas instigante aulas, que ela aprecia sobremaneira!

Considero-me um leitor voraz, mas fazia tempo que um livro me deixava "parafusado" na poltrona não querendo largá-lo de jeito nenhum. Comecei a ler ontem por volta ds 14 horas e já estou na página 210 e de imediato fiquei fascinado em conhecer a Dona Mariinha, bem como seu destemido e pertinaz pupilo, que graças a esta visionária valorosa e saudosa mulher tornou-se um ser vivente sempre propenso a aprender mais.
Dona Mariinha prepare-se, porque ao terminar a leitura enviar-te-ei um Epístola Pauliana.
A boneca Emília também me disse que foi a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, que teve o descaramento de contar aos livros que estão a espera de Godot, digo do insulso professorzinho primário e coordenador pedagógico aposentado, que os deixou em compasso de espera.
Max! Traga meus sais centuplicado! 
Caloroso abraço! Saudações leitoras! 
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

segunda-feira, 23 de março de 2015

Professor tierneyano na Coluna Social do periódico "Diário do Grande ABC"

Caros confrades/passageiros!
Quando a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, viu a minha fotografia na Coluna Social do periódico "Diário do Grande ABC​", disse com escárnio o mesmo que alguns parceiros de ofício, quando sabiam que minha prática pedagógica foi destaque em periódicos diziam:
- Quanto foi que você pagou para ser destaque na imprensa? 
Lembra, querida amiga e parceira de ofício Marilia Sirolli​?
Caloroso abraço! Saudações enfocadas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

domingo, 22 de março de 2015

Meu telefone portátil vibrou...


Caros confrades/passageiros!

Meu telefone portátil vibrou.

Preciso dizer quem era?
Claro que era a minha amiga, a Dona Miquelina Pinto Pacca (humhum).
Ela disse que ainda está com muitas dores nas pernas de tanto bater pernas na Avenida Paulista no dia 15, a partir das 14 horas, acompanhada de centenas de milhares de paulistanos e metropolitanos, entre os quais a sua valorosa, prestimosa e dedicada copeira Hermenegilda, seu eterno noivo o bombeiro Godofredo, que foram de livre e espontânea vontade e, claro, seu 5º marido, o Coronel Epaminondas Pinto Pacca,que também foi protestar contra a corrupção, bem como contra as duras medidas econômicas implementadas pela "Granda Toura Chefa Sentada", como diz o nobilíssimo José Simão. Ela jamais faria coro aqueles protestantes que foram à manifestação pedir o impeachment da mandatária maior do Poder Executivo no âmbito Federal e para seu horror dos horrores a volta dos milicos no comando do nosso gigantesco avião com mais de 200 milhões de passageiros, que desgraçadamente está a enfrentar uma aterradora tempestade com incontáveis raios e trovões ensurdecedores, que ocasionam uma violentíssima turbulência e para piorar não confiam mais na "incompetenta" pilota, que deixou o piloto automático ligado no voo anterior e não teve, por conta da sua teimosia e arrogância, a humildade de descer do salto para evitar a aterradora tempestade mudando de rota antes que a vaca tossisse e fosse para o brejo fétido.
Ela tem muito orgulho em ser chamada de "coxinha" pelos asseclas dos petralhas, inclusive seu 5º marido, o Coronel Epaminondas Albuquerque Pinto Pacca, também "coxinha" e comandante de uma das bases do Corpo de Bombeiros paulistano, acha que sua esposa é uma "coxinha" que ainda tem um tempero inigualável.
Minha amiga nasceu no dia 15 de novembro de 1941 e tem um grande trauma na sua vida, porque foi também as ruas no fatídico dia 19 de março de 1964 com o escopo de derrubar o Presidente João Goulart (1918-1976), que tinha uma esposa de fechar o comércio de todos os reinos deste maltratado e fascinante mundo que vivemos.
Seis anos depois minha amiga teve a desgraça de ver seu 2º marido, o Apolônio Guerra Furtado, um próspero industrial do setor automobilístico, ser preso, torturado, mutilado e depois assassinado nos porões da ditadura e seus despojos mortais nunca foram encontrados, porque teve a audácia (que burrinho) de enviar uma missiva ao milico mor Presidente Emílio Arrastatudo, digo, Garrastazu Médici pedindo, pautado pelas normas da civilidade, a revogação do famigerado Ato Institucional nº 5 (1968-1978).
Para atenuar seu trauma ela tem plena consciência que vivemos numa democracia e as chances de um abominável golpe militar é remota.
Apesar de estar com as pernas doloridas ela foi à Cripta da Catedral da Sé, como faz todas às quartas-feiras das 14h00 às 15h30 desfiar o "Santo Rosário", como o escopo de solicitar a intercessão do Poderoso Cacique Tibiriçá e de Nossa Senhora de Guadalupe e, apesar de ranger os dentes quando lembra da "incompetenta" pilota, a incluiu no rol daqueles que pede a intercessão dos dois entes que estão no Olimpo, para que a ilumine e faça que ela comece a usar as sandálias da humildade, abaixe a crista e não faça ouvido de mercador para o clamor dos pejorativamente chamados de "coxinhas", bem como do seu "criador", porque ela é pilota de "coxinhas" e "petralhas" e se a violentíssima turbulência derrubar o avião...
A ligação foi interrompida de supetão.
Max! Traga meus sais centuplicado!
Caloroso abraço! Saudações democráticas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!
Curtir · 

sábado, 21 de março de 2015

O Himineu é o maioral!



Caros confrades/passageiros!
Peço encarecidamente ao meu estimado amigo Todesca que de um polpudo aumento de salário para o incansável e pertinaz Himineu, porque ele encontrou no fundo do arco-da-velha mais uma preciosidade!!!!!
O Todesca perguntou em que película minha amada imortal, a inigualável atriz Gene Tierney personificou Márcia Stoddard? 
Foi na película "The Secret of Convict Lake" aqui intitulada "Mulheres em Perigo", infelizmente ainda não tenho o DVD desta película na minha modesta dvdteca.
Caloroso abraço! Saudações tierneyanas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!
                     LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

Documentário imperdível: "Nostalgia da luz"

Caros confrades/passageiros!
Assisti na sessão Cine Direitos Humanos este imperdível documentário chileno, que presta tributo å memória de milhares de chilenos, que foram assassinados pelo governo Pinochet e a maioria dos corpos foram jogados no mar ou então estão num local ainda não sabido.
Foi fascinante a maestria do cineasta em mostrar a imensidão do cosmo e a busca infinda dos astrônomos em busca do conhecimento cósmico, com a também busca infinda dos entes queridos dos assassinados para encontrar seus restos mortais.
Foi muito bom entender aproximadamente 90% do áudio em espanhol sem precisar de ler a legenda em Português, porque normalmente, quando assisto películas no idioma de Cervantes entendo 50 a 60% do áudio em espanhol sem precisar de ler a legenda.
O que seria da nossa insulsa existência sem as memórias e as películas?
Max! Traga meus sais centuplicado!
Caloroso abraço! Saudações memorialistas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!
 

sexta-feira, 20 de março de 2015

Família Soroba

Caros confrades/memorialistas!
Com a devida anuência do meu estimado amigo, o confrade/memorialista Reinaldo Elias, tenho a grata satisfação de publicar na página Memória Familiar uma fotografia, que é muito preciosa à memória familiar da honrada família do meu querido amigo conchense/paulistano, porque captou e eternizou um momento que a valorosa família dos seus bisavós maternos foi eternizada na fotografia apresentada,provavelmente num estúdio fotográfico da cidade paulista de Tatuí (que o talentoso Reinaldo coloriu de maneira primorosa), onde fixaram residência depois de saírem de Rivello, na Itália e embarcarem numa máquina flutuante. Certamente a destemida Dona Maria, bisavó materna do Reinaldo, estava apreensiva e ansiosa para encontrar o seu marido, o Sr. Andréa, que veio primeiro ao Brasil e a deixou com o filho petiz, o André e fizeram uma longa e cansativa viagem, sob a égide de Netuno, numa máquina flutuante, que singrou o grande oceano que nos separa e atracou no Porto de Santos, esperando rever o Sr. Andréa e muito esperançosa de que dias melhores viriam. Para seu grande júbilo realmente dias melhores vieram, porque aqui na terra, que ainda tem palmeiras e sabiás, teve a graça de gerar mais seis bebezinhos sendo que um dos rebentos, o último petiz que aparece à direita da fotografia é o José Soroba, avó do Reinaldo. Os demais tios avós do meu amigo aparecem da esquerda para a direita na fotografia na seguinte ordem:atrás Eugênio Antonio, André, na frente: Lila (Nicolau), Andréa (bisavô), Domingas, Maria (bisavó), que carrega a Francisca e, como disse anteriormente, por último, o José, avó do Reinaldo..A família adotou o nome Saroba, quando regularizam a documentação no país que imigraram, porque na Itália o sobrenome era Sarubi. Gostaria de saber se esta prática era comum. Certamente os nomes dos bisavós maternos e do filho primogênito do casal, constam no Museu da Imigração.
Tenho certeza que a família Soroba era muito conceituada na cidade que escolheram para viver, porque labutavam incansavelmente a lavrar a terra com o escopo de na época da safra colherem o que plantaram para subsistência da numerosa prole.
Fico cá a divagar seus usos e costumes, como por exemplo, suponho que eram católicos fervorosos, solidários e muito queridos pelos sitiantes vizinhos e certamente são lembrados com muito carinho pelos seus inúmeros descendentes entre os quais o garboso e vigoroso Reinaldo Elias.
Também fico cá a divagar a saga de milhares de famílias de imigrantes, como a aqui retratada, porque foram obrigadas a deixarem seus países de nascença em busca de melhores condições de vida e graças a estes destemidos e pertinazes imigrantes, que muito contribuíram para a pujança da República Federativa do Brasil, conseguimos prosperar!
Em contrapartida nos dias em curso estamos profundamente exasperados e desalentados ao ter a desgraça de saber até que ponto chegou a maldita e inaceitável corrupção, bem como o dissabor de saber que os altíssimos impostos que pagamos não retornam à população na forma de serviços públicos de qualidade que atendam todos os nossos patrícios, bem como saber que os Presidentes da Câmara e do Senado estão no rol dos suspeitos de receberem propinas de empreiteiras no escândalo do Petrolão, além da insatisfação de ter uma mandatária maior do Poder Executivo no âmbito Federal, mentirosa e "incompetenta". Apesar desta minha insatisfação tenho plena ciência que a "Granda Toura Chefa Sentada", como diz o nobilíssimo José Simão, foi reeleita de acordo com preceitos Constitucionais e será nossa mandatária até o ano de 2018, desde que não surjam provas incontestáveis que ela está envolvida neste mar de lama e fel.
Peço-lhe escusas por ter saído do viés memorialista, mas desejo intensamente que este período turbulento que passamos passe com celeridade e que de fato tenhamos esperanças de dias melhores, bem aos moldes dos milhares de imigrantes, que aqui chegaram e fixaram raízes.
Enquanto os valorosos bisavós do Reinaldo foram eternizados nesta fotografia, a fascinante Arte das Imagens em Movimento ainda não era sonora, bem como estava para chegar aqui. Se não me engano foi em 1907 ou 1908 que o primeiro Cinematógrafo, como era chamado na época, foi inaugurado nos domínios da nobilíssima paulistana Domítilia de Castro Canto e Melo (1797-1867). Também fico cá a divagar a reação dos primeiros espectadores ao se depararem com as imagens em movimento no escurinho do cinematógrafo!
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!



Caloroso abraço! Saudações memorialistas/familiares!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

quinta-feira, 19 de março de 2015

Maldita, odiosa e nefasta derrama

Caros confrades/passageiros!
Graças aos valiosos préstimos do meu estimado amigo e parceiro de ofício Joao Domingues consegui transmitir meu Imposto de Renda e o da Alice, bem como imprimir as declarações e os recibos!
Como minha amada e saudosa mãe me daria uma severa sova, que me deixaria de salmoura, se ousasse proferir palavras de baixo calão, para driblar seu ensinamento e não macular sua memória, uso como subterfúgio, que é proferir todas as palavras de baixo calão de A a Z e de Z a A contra esta odiosa e maldita derrama da contemporaneidade, que sem choro e nem vela confisca dos meus proventos anuais dois meses de salário para aplacar a sanha insaciável do odioso e maldito leão da metro, digo, do Fisco, que além deste confisco de dois meses do salário, também tem sede e fome insaciável para abocanhar um quinhão de todos os produtos que consumimos. Já que estou a falar em quintos, desejo intensamente que o leão da metro, digo, do Fisco, vá para os Quintos dos Infernos.

Fico exasperadíssimo com a maldita derrama, porque em contrapartida não tenho serviços públicos de qualidade.

João, que a Nossa Senhora dos Incrédulos o tenha como pupilo sempre, bem como o deixe a anos luz de distância da sua radiante e sapiente existência pessoas peçonhentas, mal amadas, azedas, mau humoradas, alienadas, fedorentas, invejosas, fofoqueiras, cassandras, leitoras do Paulo Coelho e telespectadoras da Sônia Abrão, Xuxa e similares. 
Max! Traga meus sais centupilicado!
Caloroso abraço! Saudações exasperadas.
Até breve...

João Paulo de Oliveira 

Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Memórias da Estação

Caros confrades/passageiros!
Como muito gozo divulgo - mais uma vez - este imperdível Evento patrimonialista/memorialista!
Somente não serei um dos felizardos partícipes, que estarão na plateia do Teatro, para assistirem as preleções dos competentes Marcílio Duarte​ e Adalberto Dias Almeida​ e demais ilustres componentes da Mesa,  se minha existência cessar de supetão, por conta de um fulminante infarto, latrocínio, raio, acidente de trânsito, maldição de Tutancâmon ou então pelos afiados dentes dos leões da Metro, que foram atiçados no meu encalço pela mexeriqueira da Joan Crawford (1905-1977), porque a dos olhos penetrantes, que mais pareciam dois possantes holofotes, não se conforma com o fato de eu não querer deixar ser vassalo mor e fã ardoroso nº 1 da minha amada imortal, a inigualável atriz Gene Tierney (1920-1991) para ter a mesma condição, com o escopo venerar a memória da atriz, que entre tantas películas memoráveis, que atuou personificou personagens inesquecíveis, como por exemplo, a Vienna da película ""Johnny Guitar ou então a Blanche Hudson, na película "O que teria acontecido à Baby Janes"?.
A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que com toda certeza aspirei em demasia os sais centuplicado, que meu fiel mordomo, o Max, sempre me oferece, porque onde já se viu divulgar um importante Evento patrimonialista/memorialista com memória cinéfila?
Divagações e folguedos à parte, infelizmente o sapiente e pertinaz doutorando/historiador, Renato Alencar Dotta, não será um dos partícipes do Evento, porque estará debruçado em pesquisas no Arquivo do Estado, sobre o objeto de estudo, o Integralismo.
Caloroso abraço! Saudações patrimoniais/memorialistas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

terça-feira, 17 de março de 2015

Conversar para escrever bem


Caros confrades/passageiros!
Mais uma vez, com muito gozo, divulgo uma crônica do meu querido amigo, o sapiente e tarimbado escritor e jornalista, Milton Saldanha, que desta vez discorre - com primor - sobre os efeitos deletérios que estão sujeitos, infelizmente uma parcela significativa da população da nossa amada Pátria que ainda tem palmeiras e sabiás, que não tem as competências leitora e escritora.
Ele teve o privilégio de ter nascido numa família onde a leitura e a escrita faziam parte das atribuições e atribulações do cotidiano, o que contribuiu sobremaneira para torná-lo um leitor e escritor voraz, que o tornou muito conceituado ao exercer seu labor nos meios de comunicações e nos meios literários, bem como um respeitado formador de opinião.
Tive a grata satisfação de ser eternizado nesta fotografia, ao lado do  meu estimado amigo, no dia do lançamento do seu imperdível livro "O País Transtornado", no Museu da Resistência.
Como vocês Milton Saldanha!
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!
Caloroso abraço! Saudações leitoras/escritoras!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

"Conversar, para escrever bem
Milton Saldanha

Da expressão oral, para a escrita, foi apenas uma passagem natural. Jamais fiz um curso de texto, nem precisava. Intuitivamente, desde a infância, já conhecia o conceito de “lide”, como é chamada nos jornais a forma de se começar a contar uma história: resume-se a informação de forma criativa para seduzir o leitor, no primeiro parágrafo, e depois o resto é explicar isso, entrando nos detalhes. Sem jamais ter estudado texto, em todos os jornais onde trabalhei fui sempre instrutor de focas, como são chamados os jornalistas iniciantes.
Como aconteceu isso? Simples: minha família almoçava e jantava reunida, conversando muito. Meu pai gostava de ler e de viajar na imaginação. Levava isso para nossa mesa, sempre farta e saborosa. Pai, mãe e quatro irmãos partilhavam todos os dias de intenso diálogo, não raro com discordâncias e polêmicas.
Essa foi minha escola de texto. Também do Rubem Mauro, meu irmão, que se tornou escritor premiado com o Jabuti numa época em que o certame não era tão amplo e vulgarizado. Foi o autor do melhor romance de 1986, com “A idade da paixão”, um retrato do Brasil sob a visão de um jovem, antes de 1964.  Minhas duas irmãs, Sonia e Vera, também escrevem num padrão acima da média. Vera tem até um bonito livro de poesias.
Hoje, quando vejo multidões de jovens de cabeça baixa, mergulhados no celular, sem conhecer a riqueza de uma boa conversa e o quanto ela contribui para o desenvolvimento dos neurônios, fico supondo que nunca saberão escrever. Uma prova: a superficialidade, em alguns casos desconcertante, das idéias (mal) expostas nas redes sociais.
Uma amiga, professora de Português, me contou da dificuldade de muitos em interpretar textos de... histórias em quadrinhos. Não acreditei, mas ela insistiu que é verdade. Santo Cristo, história em quadrinhos tem diálogos ultra-resumidos em balãozinhos, o resto está contado no desenho. Mesmo assim eles são incapazes de uma interpretação básica.
Minha mais recente crônica, sobre a corrupção, entrou em redes sociais. Apareceu um cara comentando com uma interpretação tipo “Samba do crioulo doido”, me atribuindo a defesa daquilo que eu combatia. Nesses casos só resta ter paciência de santo franciscano, não há o que fazer. Com tal nível de ignorância é impossível dialogar, porque eles te colocam no centro de um verdadeiro manicômio. Tudo fica sem pé nem cabeça. Justamente por isso fugi de tais debates em redes sociais nas últimas eleições. O que poderia ser um exercício democrático para o exame inteligente de idéias se transforma num campo de batalha histérico e de baixíssimo nível. Só louco entra nessa.
Meu pai, Pedro, era oficial do Exército Brasileiro. Sem jamais ter saído do Brasil, falava inglês fluentemente. Escrevia ensaios. Minha mãe, Neusa, lia intensamente. Logo, nossa casa era repleta de livros, jornais e revistas. Quando entro na casa de alguém a primeira coisa que observo é a existência de livros. Isso me dá o perfil da família. Pior é quando todos comem com os pratos na mão, na frente da TV. Pais e filhos parecem surdos e mudos. O que esperar daquelas crianças?
Uma das cenas mais lindas da minha infância foi em São Borja (RS). Era noite, faltou luz. Meu pai reuniu a família em torno da mesa, acendeu uma vela no centro, e nos contou a origem científica do mundo.
Quando Rubem entrou no ginásio, na mesma São Borja, ganhou de presente o “Thesouro da Juventude”, uma coleção maravilhosa, que despertou em nossos corações o desejo de conhecer o mundo. Passei toda a infância e adolescência mergulhando naquelas páginas. Anos depois, rodando pela Europa, elas me voltavam a todo momento, principalmente nas ruínas arqueológicas de Roma e Pompéia.
Lembro-me dessas coisas lamentando pela má sorte de tantos jovens de hoje. Eles não aprendem a ouvir nem a falar. O celular comprime o raciocínio, enquanto o livro expande. Sem saber pensar, será impossível saber escrever. Não espanta que 500 mil redações nos vestibulares tenham tirado zero. Para muitos isso não tem a menor importância, passa batido. Eu acho alarmante."

segunda-feira, 16 de março de 2015

Sequela

Caros confrade/passageiros!
Uma das sequelas, que fiquei do tempo antes do advento do Plano Real, é ir uma vez ao mês ao supermercado (agora vou ao Atacadão) e continuar a encher dois um três carrinhos de compras, porque naquela época que tínhamos a desgraça de chegar ao cúmulo de ter uma maldita e nefasta inflação diária de 2% ao dia, tínhamos que ir imediatamente ao supermercado quando recebíamos nossos parcos e desvalorizados proventos para tentarmos desesperadamente driblar o implacável dragão da inflação, que expelia sem cessar fogo inflacionário pelo nariz, bem como por aquele outro orifício...
Tenho pavor e pesadelo em pensar na desgraçada situação da volta da maldita inflação desenfreada...

Isto posto, apesar de não ter sido com meu voto, desejo intensamente que a Presidente da República do Brasil consiga com as medidas econômicas amargas, que destilam fel, que foi obrigada a tomar devido aos erros cometidos no seu mandato anterior, por conta da sua incompetência, afastar definitivamente o odioso e desprezível dragão da inflação, bem como possibilite que todos os brasileiros que são obrigados a pagar altíssimos impostos, tenham de fato em contrapartida serviços públicos de qualidade.
Mais uma vez estou exasperado com a lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, porque ela está lá na cabine nº 5 do vagão do Expresso do Oriente, sob meu comando, a dar (ela adora o verbo dar principalmente no presente do indicativo) reiteradas gargalhadas e dizer: "Acorda, Professor Tierneyano, acorda, porque depois que a vaca tossiu e foi para o brejo e ficar atolada irá cantar:
Nestes dias de ida ao Atacadão fico sob a égide da Rosalie:
Max! Traga meus sais centuplicado!
LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!
Caloroso abraço! Saudações consumidas/desiludidas.
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

domingo, 15 de março de 2015

A Gyoconda Ferro Salgado, Madre Superiora do Convento das Redentoras Humilhadas, foi para o beleléu.

Fonte:arqtodesca.blgospot.com

Caros confrades/passageiros!
A irmãzinha Carmem Malafaia do Rego Seco mandou para o beleléu a Madre Superiora do Convento das Redentoras Humilhadas, a Gyoconda Ferro Salgado, porque a finada a traiu com a também irmãzinha Manuela Bonifácia Ervilha do Rego.
Caloroso abraço! Saudações traidas.
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

sábado, 14 de março de 2015

Matilde Pinheiro de Oliveira

Caros confrades/passageiros!

Se minha amada e saudosa estivesse entre nós completaria no dia em curso 92 anos.
A existência da razão da minha existência cessou no fatídico dia 24 de outubro de 2008.
Quanto mais o tempo passa a saudade fica mais dolorida.
Que saudades do seu imenso amor e zelo!
Mãe! Sempre te amei, amo e amarei!
Seu bebezinho nº 6 desolado e desamparado.
Afetuoso abraço! Saudações saudosas.
Até breve...
João Paulo de Oliveira 
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    sexta-feira, 13 de março de 2015

    Mais um mimo do Todesca


    Caros confrades/passageiros!
    A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que o Himineu está desalentado, porque é ele, que de maneira incansável, vasculha o fundo do baú e quem leva a fama é o seu patrão.
    Caloroso abraço! Saudações himineunetes!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    quinta-feira, 12 de março de 2015

    Circulador de Ar


    Caros confrades/passageiros!
    Adquiri este Circulador de Ar da marca Arno no ano do meu casamento, que foi em 1977. Nestes quase 38 anos que este utensílio doméstico saiu das prateleiras da Lojas Mappin cumpriu sua função precípua, que é atenuar o calor abrasador, que somos sujeitos no verão.
    No mês passado o circulador parou de funcionar e ao levá-lo numa da loja autorizada da Arno tive o dissabor de saber que já faz tempo que a citada marca parou de produzir peças de reposição.
    Como agora tenho a prerrogativa de ser cliente de uma supimpa artesã, a criativa e prestimosa Selma D'ouro, deixei-o nas suas mãos de fada para transformá-lo num objeto de decoração.
    Para meu grande deleite, além de deixá-lo com uma aparência retrô (lembrei da Margô Retrô, que acho que apreciará sobremaneira vê-lo), seu também prestimoso noivo conseguiu fazer com que voltasse a funcionar normalmente.
    A Selma encontrou um noivo ideal, porque enquanto ela é a Fada e ele é o Mago!
    Caloroso abraço! Saudações artesãs!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!



    quarta-feira, 11 de março de 2015

    Himinineu




    Caros confrades/passageiros!

    Reitero que considero os blogs do Todesca - Oásis - num deserto de alienação cibernética!
    A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que ele um prestimoso funcionário sapiente do Todesca, que sempre tira do arco-da-velha, que fica na majestosa e ampla biblioteca do nobilíssimo arquiteto, preciosidades que me deixam em estado de deleite inefável.
    Depois que a mexeriqueira mor leu o que o chefe do Himineu escreveu, abaixo transcrito, revirou os olhos reiteradas vezes de tes...ouro, porque ficou sôfrega para conhecer o atraente Himineu e oferecer-lhe os disputadíssimos agrados da Agrado, conhecidíssimos até nos confins do Deserto de Gobbi.
    A sirigaita também disse que as irmãzinhas do Convento das Redentoras Humilhadas ficaram em frenesi para conhecer a real aparência do Himineu.
    Caloroso abraço! Saudações himineunetes!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira 
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!


    "Através do blog do Professor João Paulo
    todos querem conhecer Himineu,
    o meu fiel informante e pesquisador
    emérito.....
    mas resolveu continuar anônimo, 
    atrás desta máscara sensual.
    Sendo filho de Apolo e Afrodite, a sua 
    beleza causaria inveja em muitos homens...
    a propósito, a próxima imagem de um 
    filme com a Gene Tierney,
    é mais um dos seus trabalhos..."

    terça-feira, 10 de março de 2015

    Inconformismo

    Caros confrades/passageiros!
    O periódico Diário do Grande ABC publicou, depois de fazer o copidesque, na edição do dia em curso, uma missiva de minha lavra.
    Reitero, que apesar do meu inconformismo e exasperação com a "incompetenta", tenho plena ciência que ela foi eleita num processo eletivo democrático, para o seu 2º mandato ao cargo de Mandatária Maior do Poder Executivo no âmbito Federal.
    Apesar de estar a fazer exatamente o contrário do que prometeu àqueles que lhe deram um novo mandato, ela ocupa o citado cargo rigorosamente de acordo com preceitos Constitucionais.
    Isto posto, por ora, não sou favorável ao Impeachment da Presidente.
    Reconheço que ela disse uma verdade. ao se referir que como vivemos numa democracia e temos plena liberdade de externar nosso descontentamento como os governantes, bem como com políticos sacripantas, sem corrermos o risco de irmos para o xilindró e ser torturado, como desgraçadamente acontecia nos anos de chumbo (1964-1985).
    Apesar dos pesares prefiro ela, porque sinto calafrios com a hipótese do "Conde Drácula" a ocupar o cargo de Presidente da República Federativa do Brasil.
    Max! Traga meus sais centuplicado!
    Caloroso abraço! Saudações democráticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira 
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    segunda-feira, 9 de março de 2015

    Fábrica de Cultura de Dkiadema

    Caros confrades/passageiros!
    Considero alvissareiro ver que a construção da Fábrica de Cultura caminha num ritmo que indica que será entregue à população diademense, como o prometido, no ano vindouro! 
    Já vislumbro este privilegiado espaço cultural a oferecer aos diademenses múltiplas atividades culturais. 
    A administração Lauro Michel está de parabéns pelas articulações políticas com o Governo do Estado, que possibilitou a parceria na efetivação da Fábrica de Cultura!
    Caloroso abraço! Saudações diademenses/culturais! 
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira 
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    domingo, 8 de março de 2015

    Dia Internacional da Mulher

    Caros confrades/passageiros!
    Como me considero um cinéfilo voraz - com muito gozo - presto tributo as sapientes, valorosas, destemidas, amorosas, pertinazes, solidárias e sempre amigas mulheres que, desde a época que fugíamos aterrados dos predadores nas savanas do Continente Africano, foram atuantes e, claro, contribuíram sobremaneira para que a espécie Homo Sapiens não fosse extinta, porque se fosse inevitável, para salvar suas proles, seriam devoradas pelos sempre insaciáveis predadores.
    Isto posto, reitero que presto-lhes tributo ao trazer à baila a imperdível, enternecedora e inquietante película de 1985 "The Color Purpler", aqui intitulada "A Cor Púrpura", que deixou meus agora outonais olhos em água, quando soube da saga do doce Celie, magistralmente interpretada pela nobilíssima atriz Whoopi Goldberg.
    Querida Celie! Sempre te amei, amo e amarei!
    Caloroso abraço! Saudações femininas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    LUZES! CÂMERAS! AÇÃO!

    Google+ Badge